fbpx
Compartilhe

O ecossistema brasileiro de startups não pretende e nem deve parar de crescer tão cedo. E aqui no Além da Faria Lima comprovamos que, na leva desse crescimento, inovação também mora e se desenvolve fora do eixo Rio-SP, e mais além, fora do Sul-Sudeste. 

Novos negócios têm se desenvolvido com grande potencial nos polos de inovação do Norte e – com ainda mais força – no Nordeste. Segundo o mais recente levantamento da Abstartups, são 2.330 startups sediadas em ambas as regiões, sendo 494 no Norte e 1.836 no Nordeste. Para se ter dimensão, há 2 anos eram 843 empresas: 266 (N) e 577 (NE).

Atualmente a maioria delas está concentrada nos estados da Bahia, Pernambuco, Ceará, Amazonas, Pará e Tocantins. Em relação ao perfil, destacam-se as empresas com soluções em educação, saúde, agronegócios e finanças. Já a média do valor total de investimento recebido por pelo menos metade das startups do Norte e Nordeste varia entre R$ 50 mil e R$ 500 mil.

Selecionamos a seguir algumas das startups que despontam no ecossistema das regiões com o tempero e clima mais quentes do país:

Região Norte

YetGo – Belém (PA)

Presente em mais de 120 cidades por todo o país, a plataforma paraense de mobilidade urbana YetGo surgiu em 2016 como mais um app que conecta usuários e motoristas. No entanto, para bater de frente com a concorrência e atrair clientes, a empresa criou alguns atrativos: ela não trabalha com tarifa dinâmica, não cobra tarifa de cancelamento da corrida e mantém fixo o preço do quilômetro rodado. 

Há 3 anos, a startup decidiu apostar também no comércio eletrônico, para fazer entregas de compras na casa dos clientes. Neste modelo de negócio, a cobrança das varejistas é feita por quilômetro rodado, assim como com táxi.

Manaós Tech – Manaus (AM)

Construir robôs, conhecer o universo da mecânica da programação e dos games, aprender a editar vídeos para o youtube são algumas das atividades proporcionadas pela Manaós Tech. Criada em 2013, a startup prepara crianças e jovens entre 6 e 16 anos para o protagonismo do que chama a Quarta Revolução Industrial, e busca expandir sua área de atuação ao interior do estado do Amazonas, junto a comunidades carentes, como forma de redução do êxodo rural de jovens.

Localizada dentro do HUB Tecnologia e inovação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), a escola de tecnologia e robótica oferece estrutura e tecnologia de ponta com computadores individuais, internet, maletas de robótica da LEGO, impressora 3D, etc.

Agro365 – Tocantins (TO)

A agtech Agro365 desenvolve desde 2013 soluções de gestão para o agronegócio que auxiliam o produtor rural na apuração dos custos de produção, na melhoria das análises financeiras, econômica e produtiva da fazenda.

Mais de 1.300 fazendas de pecuária de corte, leite, agricultura e fruticultura pelo Brasil utilizam algum dos sistemas de gestão ou ferramentas de planejamento desenvolvidos pela startup. A empresa de Tocantins também oferece diversos cursos online em parceria com o Instituto de Estudos Pecuários (IEPEC).

Nedu – Porto Velho (RO)

A edtech Nedu foi criada em 2020 para ajudar pais e professores no acompanhamento individual de cada aluno. Sua inteligência de dados educacionais transforma rapidamente os dados das instituições de ensino em inteligência acionável para melhorar o desempenho acadêmico e o diálogo com as famílias dos alunos. Em 2020, a Nedu foi a única startup de Rondônia selecionada para o programa de aceleração InovAtiva Brasil.

OrçaFascio – Macapá (AP)

Também acelerada pelo InovAtiva, a OrçaFascio cria softwares para obras, sejam elas construções civis ou de infraestrutura, com foco em atender construtoras, órgãos públicos e engenheiros. Pela sua plataforma, engenheiros podem fazer diversas cotações para seus orçamentos de obras, controlar os materiais no canteiro de obras e analisar o andamento da construção.

O sucesso da startup não se limitou ao Brasil. Há 6 anos no mercado, atualmente a solução é acessada por mais de 80 países mensalmente, entre eles, Estados Unidos, Angola, Moçambique e Portugal.

Região Nordeste

PrimeDialog – Recife (PE)

Nascida em 2019 no Porto Digital, no Recife, a Prime Dialog desenvolve assistentes virtuais digitais especializados em treinamento, desenvolvimento e mudança comportamental, com foco em soft skills e saúde mental.
Com o isolamento social imposto pela pandemia, a startup criou em 2020 o aplicativo Anna, lançado pela Secretaria Estadual de Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq). A assistente de aprendizagem virtual foi projetada para dar suporte emocional e promover o bem estar das pessoas, principalmente os jovens. Autoavaliação dos sintomas da Covid-19, estratégias para prevenção e sugestões de práticas de novos hábitos para manter a saúde física e mental são alguns dos recursos oferecidos pelo app.

Fix it – Natal (RN)

Criada em 2015, a Fix it é uma healthtech especializada em soluções ortopédicas, neurológicas e reumatológicas biodegradáveis feitas sob medida pela impressão 3D. As órteses, feitas por meio de um filamento de PLA, um plástico termomoldável e biodegradável composto por bagaço da cana-de-açúcar, milho e beterraba, possuem design único e se adaptam a anatomia do corpo.

Acelerada pela Ace Startups e pela Overdrives, a Fix it tem ganhado espaço no mercado da saúde através do modelo de micro-franquia em território nacional e internacional. Atualmente a startup é parceira do Hospital Israelita Albert Einstein, da Unimed do Rio Grande do Sul, além de ter negócios com vários países do Mercosul, Moçambique e com operações em validação na Suíça e Canadá.

Weni – Maceió (AL)

A Weni oferece um sistema de IA para criação de chatbots com intuito de transformar o jeito das empresas se comunicarem com o público. A plataforma criada em 2012 suporta mais de 180 idiomas e dialetos e tem integração com o WhatsApp, Telegram, Facebook Messenger, entre outros canais. 

Um dos cases de sucesso da startup é do Sebrae-SP. Um projeto de educação via WhatsApp para alcançar ainda mais os microempreendedores individuais (MEIs). Com o chatbot inteligente, o Sebrae-SP conseguiu capacitar milhares de MEIs gratuitamente.

Niduu – São Luís (MA)

A startup maranhense Niduu foi fundada em 2016 e possui soluções de educação corporativa para treinar colaboradores de todos os níveis das empresas, utilizando princípios de microlearning, mobile learning e gamificação. Neste ano, foi adquirida pela Gupy, startup que oferece soluções para RH. Com a venda, a Niduu espera triplicar de tamanho em 2022.

Desde sua fundação, a Niduu já viabilizou 140 milhões de horas de treinamento com mais de 300 mil profissionais de 300 empresas. 

Softwell Solutions – Salvador (BA)

Fundada em 2007, a startup baiana Softwell Solutions é responsável pelo desenvolvimento de software e aplicativos através de sua ferramenta Maker. A solução desvincula a plataforma de desenvolvimento das linhas de código para facilitar a criação de softwares e aplicativos de forma mais visual e intuitiva.

Em 2010, a empresa recebeu aporte de R$ 9 milhões de um grupo de investidores, que incluiu também o IFC, braço de investimento no setor privado do Banco Mundial (Bird). O valor foi usado para desenvolvimento de produtos e expansão geográfica. Na lista dos seus mais de 700 clientes estão empresas como Vale, Odebrecht, Casas Bahia e Volvo.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões