fbpx
Compartilhe

O Além da Faria Lima desta semana vai incentivar você, empreendedor, que está pensando em desistir do negócio porque o que criou não tem escalabilidade. Os co-fundadores da paranaense 3C Plus, Diogo Hartmann e Ney Pereira, não só passaram por isso, como decidiram recomeçar do zero após anos de insucesso e aprendizados. Redesenharam o produto, focaram em um novo perfil de cliente (antes ignorado) e decolaram.

A startup foi fundada em 2014 em Guarapuava, interior do Paraná, com o propósito de transformar a comunicação por voz entre clientes e empresas. Depois de 4 anos da primeira versão criada, Diogo e Ney fizeram a lição de casa e desenvolveram uma nova versão, em 2018, cujas vendas só crescem. Trata-se de uma plataforma 100% em nuvem focada na otimização e automatização da operação de call centers — discador automático, painel de controle e métricas são algumas das ferramentas.

“A principal dor das pequenas empresas era a falta de soluções em nuvem para call center que fossem fáceis e rápidas de implantar. O que o mercado oferecia era tecnologia muito cara e o processo de implantação muito complexo, podendo levar até 2 meses”, afirma Diogo, que também é CEO da 3C Plus. “Hoje conseguimos rodar uma operação com nosso produto em 2 horas”, acrescenta.

Além de oferecer acesso à tecnologia de ponta para pequenos e médios negócios, a startup garante que pode reduzir em até 80% o tempo de ociosidade dos operadores, diminuindo os custos e aumentando as taxas de conversão das equipes em operações de cobrança, vendas e SAC.

O co-CEO e sócio Ney Pereira (à esq), a COO Diandra Ribas, e o fundador e CEO Diogo Hartman. (Foto: Divulgação/Felipe Bahls)

Santo correspondente bancário

Na metade de 2020 a 3C Plus começou a receber uma enxurrada de procura por sua solução por parte de correspondentes bancários, que vendem crédito consignado por telefone. Isso depois que Rayane Silva, especialista em crédito consignado, que comanda o canal “Escola do Crédito”, no YouTube, recomendou o produto da startup em um dos seus vídeos.

“A gente não tinha interesse nesse perfil de cliente, mas esse cara começou a contratar em massa. Foi então que decidimos focar nossas vendas para esse segmento que hoje já representa 90% da nossa base de 800 clientes ativos”, conta Ney, também co-CEO e sócio da 3C Plus. E tem muita demanda ainda para abocanhar. Segundo dados do Banco Central (BC), o número de correspondentes bancários no país já passa de 210 mil. 

A estratégia deu tão certo que a startup vem acumulando crescimento significativo ao longo dos anos. Em 2021, conseguiu aumentar a sua receita em 255%, chegando a um faturamento de R$ 4,5 milhões. No primeiro semestre deste ano a receita mensal recorrente chegou a R$ 1 milhão, um recorde para a empresa. A previsão é de encerrar 2022 com faturamento de R$ 16 milhões. 

Os próximos passos

Em 2021 a startup contava com 10 colaboradores e começou este ano com 28. A previsão é preencher novas vagas e totalizar 100 funcionários até o fim deste. A empresa quer ainda aumentar a comercialização dos planos ilimitados, no qual o cliente escolhe o plano de acordo com a quantidade de ligações simultâneas possíveis, sem limite de minutos. Assim os call centers podem prever seus gastos mensais com ligações independente do tempo de cada chamada.

“Temos um plano estratégico para virar unicórnio até 2025. Para isso vamos aplicar o método T2D2 (Triple, Triple, Double, Double) para ter um crescimento exponencial. Ou seja, após alcançar o primeiro milhão de renda mensal recorrente, nosso objetivo agora é triplicar essa renda e chegar aos R$ 3 milhões até dezembro de 2022. No próximo ano alcançar os R$ 9 milhões e na sequência R$ 18 milhões e R $32 milhões, em 2024 e 2025, respectivamente” explica Ney.

Segundo ele, a operação hoje não queima caixa, então não há necessidade de partir para uma rodada de captação, pelo menos nos próximos 12 meses. Mas, caso decidam antecipar algumas metas, isso não está descartado. “Há planos da 3C Plus se tornar uma operadora, oferecendo também serviços de telefonia para o cliente. Um dos caminhos será a aquisição de uma operadora de telefonia, daí sim faria sentido uma rodada”, finaliza.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões