fbpx
Compartilhe

Foi por volta de 2012 que Halley Takano, presidente da logtech Comprovei, teve o insight para criar a empresa: como melhorar a qualidade de entregas e da experiência dos clientes? Na época, ele trabalhava em uma empresa de softwares para gestão da cadeia logística em Barueri, SP, onde inclusive conheceu seus outros 3 sócios. Reclamações de clientes corporativos com relação a atrasos, produtos com defeitos, entre outros problemas com as entregas, motivaram Halley a empreender.

Logo veio a ideia de criar uma solução (para desktops, tablets e um app para motoristas) para ajudar as empresas a terem visibilidade, em tempo real, de todas as etapas das entregas dos produtos. Durante o transporte, o motorista usa um aplicativo próprio com GPS integrado para facilitar o rastreamento e o cliente é notificado quando o seu pedido está chegando. No momento da entrega, o motorista pode fotografar o comprovante de entrega assinado e a solução da Comprovei digitaliza o documento automaticamente, utilizando uma tecnologia de escaneamento desenvolvida pela própria startup. O aplicativo também permite ao entregador colher a assinatura digital do cliente direto na tela do smartphone.

Com o negócio em fase de validação, os 4 sócios da startup conseguiram participar da 1ª edição do programa de aceleração Inovativa Brasil, em 2013. A empresa foi a única logtech premiada entre as 20 ganhadoras, e levou uma viagem para o berço das maiores empresas de tecnologia do mundo, o Vale do Silício.

De volta ao Brasil, em 2014, a empresa Comprovei nasceu de fato, no Sul de Minas, durante o período de incubação na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá (Incit), que fica no campus da Universidade Federal de Engenharia de Itajubá (Unifei). A incubação durou 2 anos e a companhia manteve sua sede na cidade mineira desde então. Para dar vida ao negócio, os 4 sócios investiram um total de R$ 1 milhão.

“Batemos muita cabeça no início, ninguém tinha experiência com tecnologia, em desenvolver um app, foi a primeira vez que usamos geolocalização, foram muitos os desafios. Mas o que acertamos logo de cara foi na cultura da empresa e no time. Os primeiros colaboradores estão conosco até hoje”, conta Halley, todo orgulhoso. São 20 pessoas na equipe atualmente.

Quando deslanchou de vez

Não demorou muito para surgirem os primeiros clientes, em 2015, ainda em período de incubação, como a Roge Distribuidora, de Jarinu, interior de SP. A empresa encerrou seu primeiro ano com a plataforma gerenciando 50 mil entregas por mês. Nada mal para o começo de um negócio, não?

Em 2016, chegaram a 500 mil entregas por mês. A partir dali, não dava mais para frear a máquina. Para 2017 a meta era fechar o ano com 1 milhão, mas o número foi surpreendentemente atingido em maio, e no fim das contas, foram 2 milhões de entregas no ano. Hoje são 4 milhões de entregas por mês, ou 416 por minuto, que passam pela plataforma da Comprovei.

No ano passado, mesmo com a pandemia, a logtech faturou R$ 4,3 milhões e conquistou 15 novos clientes, entre eles, a Wickbold, a Amanco e a distribuidora de materiais e medicamentos para hospitais, Mafra Hospitalar. Hoje são 80 clientes (médias e grandes empresas), entre eles, Aurora Alimentos, BASF e Gerdau.

Para 2021, a startup prevê faturar R$ 5 milhões, um crescimento de 35% em relação a 2020. “A validação de mercado é ter cliente pagante. Ainda que não cresçamos a ritmo de unicórnio, mantemos um crescimento regular de 25% por ano. Um ritmo bom e sustentável”, comenta Halley, que não descarta conversas com possíveis investidores.

ANÁLISES

Veja todas as análises