fbpx

Junte-se agora e acesse (antes de todos) as principais notícias de tecnologia e startups. clique aqui

CODEX: À procura da batida perfeita

Por Gustavo Brigatto, em 23 de março de 2021

0Shares
Boa tarde,

Uma semana que não tem um grande anúncio como a compra de uma RD Station parece uma semana fraca em termos de movimentos no mercado. Mas essa afirmação não poderia estar mais errada! Toda semana anda bem animada nos últimos tempos.

Por conta desse alto volume atrasei um pouco a publicação do CODEX desta semana. Mas já estou me organizando para voltar ao ritmo normal das segundas-feiras. Não se preocupem!

Boa leitura e boa semana.

Gustavo Brigatto
Fundador e Editor-Chefe


SEMANA DE 15 a 21 de MARÇO


RODADAS DE INVESTIMENTO

  • Cognitivo.ai, que ajuda empresas a contratarem profissionais pra projetos baseados em dados, levantou uma rodada de R$ 2,4 milhões. O aporte acontecido em dezembro mas só divulgado agora contou com a participação dos fundadores da Empiricus, Rodolfo Amstalden, Leonardo Machado, Guilherme Queiroz, Matheus Baldi e Agapito Troina, que já eram investiores-anjo, da consultoria cariova Visagio, da gestora de venture capital Allievo e da Alvarez & Marsal;
  • A fintech de pagamentos inglesa SumUp levantou uma rodada de 750 milhões de euros e pretende investir quase um terço disso – 225 milhõesm ou cerca de R$ 1,3 bilhão – Brasil. “O Brasil é um importante mercado para a SumUp no mundo. Nossos esforços serão voltados para o modelo de negócios ‘balcão único’, ou seja, adquirência, banco digital, produtos de crédito para a base da pirâmide e expansão de nossa atuação para outros países da América Latina”, disse Fabiano Camperlingo, presidente da companhia na América Latina, ao Valor;
  • A imobiliária digital AoCubo levantou uma rodada de R$ 5 milhões com investidores-anjo e fundos de investimentos, como Ipanema VentureseCAVIGInfoCasas e NetVentures – os dois últimos especializados em proptechs;
  • Redpoint eventures liderou uma rodada de R$ 6,6 milhões no banco digital para condomínios CondoConta. A aceleradora Darwin Startups também participou.
  • The New Butchers, foodtech brasileira de carne feita com proteína vegetal, levantou uma rodada de valor não revelado com a Lever VC, gestora que já investe na Beyond Meat e na Impossible Food.
  • Fin-X, que ajuda médicos a administrarem suas finanças, recebeu um aporte de R$ 500 mil do Fundo Anjo, que conta com recursos do BNDES e é gerido pela DOMO.
  • A empresa americana de pagamentos Stripe atingiu um valuation de US$ 95 bilhões ao levantar uma rodada de US$ 600 milhões e se tornou a startup mais valiosa dos EUA e o segundo unicórnio mais valioso do mundo, atrás apenas da chinesa ByteDance (dona do TikTok), que vale US$ 140 bilhões.

FUSÕES E AQUISIÇÕES

  • BTG comprou o aplicativo de consolidação de investimentos Kinvo por R$ 72 milhões.
  • A companhia de geração e comercialização 2W Energia fechou a compra da empresa de tecnologia Way2, especializada em medição e gestão de energia. A transação pode chegar a R$ 79 milhões e inclui a compra de todo o capital da Way2 em 4 anos.
  • QuintoAndar comprou a imobiliária mineira Casa Mineira, com a qual já tinha uma parceria há cerca de 2 anos. O valor da operação não foi revelado. A operação reforça a atuação da companhia na compra e venda de imóveis. A transação envolve também o Portal Casa Mineira, marketplace que oferece serviços de anúncios a mais de mil imobiliárias em todo o país, com 1 milhão de imóveis oferecidos para venda e aluguel. O Portal Casa Mineira continuará com a operação independente. O QuintoAndar entrou na compra e venda em 2020 e diz ter intermediado 1,2 mil operações em pouco mais de 6 meses. A operação da Casa Mineira cresceu mais de 50% ao ano nos últimos 2 anos, graças à parceria com o QuintoAndar em aluguel e à expansão no segmento de compra e venda. A empresa intermediou R$ 1,7 bilhão em vendas em 2020 e fechou o ano com cerca de R$ 2,5 bilhões em ativos sob gestão em sua carteira de aluguel – que cresceu entre 2 e 3 vezes mais que a média do mercado em BH. Hoje a Casa Mineira tem 250 funcionários e 450 corretores parceiros e uma carteira de 14 mil imóveis anunciados para venda e 3 mil para aluguel.
  • Em sua segunda aquisição na área de conteúdo, o Magazine Luiza comprou a Steal the Look (STL), especializada em moda, beleza e comportamento. O valor da operação não foi revelado. Segundo o Magalu, o STL tem 2,5 milhões de seguidores nas redes sociais e 6 milhões de visitantes únicos por ano. O varejista também comprou a plataforma PUSH, de eventos de empreendedorismo, criada pelas fundadoras do STL, Manuela Bordasch e Catharina Dieterich. O valor do investimento não foi revelado. Em agosto/20 a companhia tinha comprado o site Canaltech, de tecnologia, com 24 milhões de usuários únicos por mês.
  • Depois de receber uma rodada de investimento com SoftBank e Volpe Capital, o UOL EdTech anunciou a compra da Passei Direto, que conecta pessoas que querem estudar a outras que querem ensinar. O valor da operação não foi revelado. O negócio deu saída a todos os investidores da companhia: Redpoint eventuresValor CapitalPenínsulaCresceraGrupo Xangô TecnologiaEndeavor Catalyst e a edtech americana Chegg.
  • Alura, edtech focada na formação de desenvolvedores, comprou uma participação na PM3, uma empresa recém-formada para treinar profissionais que atuam ou queiram atuar como product managers. O valor investido não foi revelado. Juntas, elas devem ultrapassar os R$ 100 milhões de receita em 2021.

NOVOS FUNDOS

  • Valor Capital entrou na onda dos SPACs e lançou um para chamar de seu. A ideia é levantar até US$ 230 milhões, o número mágico das empresas de cheque em branco, para comprar uma empresa de tecnologia no Brasil. Batizado de  Valor Latitude Acquisition, o veículo será tocado por Mario Mello, ex-presidente do PayPal na América Latina, que há tempos é investidor e advisor da gestora. O novo SPAC vai “competir” com outros três que já estão de olho em empresas na América Latina (HPX, e Alpha Capital e SoftBank).
  • Bossa Nova fez uma captação de R$ 6 milhões por meio de uma cédula de crédito bancário (CCB) aberta a pequenos investidores. Os aportes podiam ser de R$ 5 mil e R$ 40 mil. O plano inicial era levantar R% 5 milhões, mas houve excesso de demanda. A captação foi aberta, inicialmente, para fundadores e investidores da gestora, no dia 17. Nessa primeira fase, foram levantados R$ 2 milhões. Às 9h da manhã do dia 18, o total tinha chegado a R$ 5 milhões. Ao meio-dia, chegou-se ao total de R$ 6 milhões. É a segunda captação do tipo feita pela gestora. Em fevereiro, ela levantou R$ 1 milhão.

ROXINHO MENOS NO VERMELHO

  • Nubank reduziu em 26% o seu prejuízo em 2020, perdendo “só” R$ 230 milhões. Em 2019, tinham sido R$ 312 milhões. O desempenho “menos pior” veio por conta do aumento da receita de intermediação financeira, que subiu 79%, para R$ 5 bilhões. O neobank diz que fechou 2020 com 33 milhões de clientes – contra 20 milhões em 2019. Dias antes de publicar o balanço, a companhia anunciou que estava com 35 milhões – ou seja, mantendo o ritmo de um milhão de clientes novos por mês nesse começo de ano. “O prejuízo é uma decisão de negócio. Escolhemos, agora, seguir investindo a margem que geramos em times, serviços e produtos, em vez de já realizar lucro. Podemos gerar lucro a qualquer hora, mas, neste estágio da nossa empresa, queremos seguir crescendo junto com os nossos clientes”, escreveu o diretor financeiro da companhia, Guilherme Lago, em post no blog da empresa. Se ele diz…

TÁ LIBERADO

  • A área técnica do CADE liberou a compra da Linx pela Stone sem ressalvas. Mas não dá pra dar pulos de alegria e estourar o champagne. A operação ainda pode ser contestada pelas empresas que estão como terceiros interessados no processo – no caso AdyenCieloTotvs e Banco Safra. O prazo para envio dos recursos é de 15 dias. Caso as empresas se manifestem, o caso terá que ser avaliado pelo plenário do órgão regulador.

OMIE VALENDO R$ 2 BI

  • A Omie está negociando uma rodada de investimento nova com valuation de R$ 2 bilhões. O aporte pode chegar a R$ 1 bilhão por incluir uma parte secundária. Para uma negociação deste porte, quem você acha que estaria participando? Sim, ela mesma, a SoftBank.

MEU SANGUE LATINO

  • A EBANX anunciou o início de sua operação na América Central. A entrada na região acontece por Costa Rica, El Salvador, Panamá, Guatemala e República Dominicana. A companhia também chegou ao Paraguai. Com as adições, ela chega a 15 países onde atua na América Latina.

CASAMENTO EM VISTA?

  • As curitibanas Pipefy Contraktor fecharam uma parceria comercial para oferecer assinatura digital a empresas. A ideia é que os clientes do sistema de gestão da Pipefy usem a ferramenta da Contraktor para assinar seus contratos. Será que o namoro pode acabar em casamento?

SAÚDE É O QUE INTERESSA

  • O grupo Sabin fez um investimento inicial de mais de R$ 5 milhões para criar a Rita Saúde, um aplicativo para agendamento de consultas e exames a preços acessíveis. São duas modalidades de planos: econômico, que custa R$ 9,90 e Vida, que custa R$ 39,90. O lançamento é mais uma das movimentações no mercado de saúde e se segue à estreia do Saúde iD, do grupo Fleury – grupo concorrente, mas também sócio do Sabin no fundo de investimento Kortex Ventures.

SHOW ME THE MONEY

  • Com a onda das iniciativas para remuneração de criadores de conteúdo, o Faceboook vai fazer um teste com um pequeno grupo de escritores para um novo serviço, segundo o Axios. Além de textos, poderão ser publicados outros formatos de conteúdo, como vídeos. As iniciativas da companhia com grandes nomes do mercado de mídia nunca deram muito certo por conta dos termos pouco vantajosos para os produtores de conteúdo. A ver como isso avança com quem é independente e ainda está começando.

FÔLEGO PARA OS RESTAURANTES

  • Com a pandemia ainda sem data para ir embora, o Rappi pretende emprestar R$ 100 milhões a restaurantes ao longo de 2021. O aplicativo também vai reduzir o tempo para repasse de recebíveis de 14 dias para 7 dias – antes da pandemia eram 30.

TOKENS, TOKENS, TOKENS

  • Fundador da BitcooinTrade, Daniel Coqueri deixou a companhia com a aquisição pela Ripio, e já lançou um projeto novo na área de criptoativos: a Purus, uma plataforma para tokenização de qualquer tipo de item ou ativo. Será que vai dar pra fazer NFTs?

IPO BILIONÁRIO

  • A desenvolvedora de software para recursos humanos LG Informática definiu a faixa de preço para sua oferta inicial de ações: entre R$ 15 e R$ 20, segundo atualização de seu prospecto enviada à CVM. Com isso, o IPO pode movimentar entre R$ 770 milhões e mais de R$ 1 bilhão. O preço final deve ser definido no dia 1º de abril.

HOTEL MARCA PRÓPRIA

  • O aplicativo de viagens KAYAK vai abrir seu próprio hotel em Miami Beach. “Nossa propriedade em Miami Beach funcionará como laboratório de design hoteleiro, aprofundará nosso conhecimento sobre hospitalidade e demonstrará nossas capacidades em desenvolvimento”, disse Steve Hafner, CEO do KAYAK, em comunicado. As tecnologias que vão dar suporte ao hotel estão sendo desenvolvidos em parceria com a empresa Life House. Segundo o KAYAK, o projeto é o primeiro e provavelmente não será seu último.

SE A MODA PEGA

  • A Prefeitura do Rio que cobrar 1,5% por viagem dos aplicativos como Uber99 e Cabify. O valor seria pago pelas empresas, não pelos motoristas. Um comitê foi criado para discutir o assunto e deve ter um parecer em 30 dias. O decreto foi publicado no dia 16/03. Os aplicativos – é claro – se manifestaram contrários à cobrança.

SE A MODA PEGA – 2

  • Já no Reino Unido, o Uber capitulou e vai reconhecer como funcionários os 70 mil motoristas que trabalham com o aplicativo. Com isso, eles terão direito a férias remuneradas e poderão participar de um plano de aposentadoria ligado à empresa. Imagina se a moda pega aqui no Brasil, onde a companhia tem 1 milhão de motoristas???

RECOMENDAÇÕES DE LEITURA


DANÇA DAS CADEIRAS

  • Depois de se tornar um unicórnio com uma rodada de US$ 190 milhões liderada pela SoftBank e pela gestora Dynamo, a MadeiraMadeira está profissionalizando a gestão. Para tocar suas finanças, a companhia repatriou o brasileiro Carlos Eduardo Annibelli Baron, que estava há 7 anos na Europa – ele liderava a operação do Burger King  na Alemanha e foi diretor financeiro de EMEA (Europa, Oriente Médio e Ásia) na Restaurant Brands International. Baron substitui Marcelo Sacandian, co-fundador da varejista, que em janeiro assumiu a área de experiência do cliente.
  • MovilePay também está no processo de profissionalização com a contratação do ex-PicPay e Alelo, Valério Zarro, para ser seu diretor financeiro.

FALTOU DA SEMANA PASSADA


DOWNLOAD

Jornalista com mais de 15 anos de experiência acompanhando os mundos da tecnologia e da inovação, com passagens pelo DCI, Sebrae-SP, IT Mídia e Valor Econômico. Fundador e Editor-Chefe do Startups.com.br.

error: Alerta Conteúdo Protegido