fbpx
Compartilhe

Já dizia aquele sucesso dos anos 90: “depois de nove meses você vê o resultado” (aliás, dancei muito). Foi exatamente este o intervalo de tempo entre o seed de R$ 10 milhões e agora uma série A de R$ 30 milhões da beautytech B4A (Beauty For All). Inclusive, seu valuation quadruplicou entre os aportes.

A nova rodada de captação foi liderada pelo fundo de private equity DXA, que já investiu em empresas como ZeeDog e Green People. A AcNext, que capitaneou a rodada anterior, assim como todos os investidores-anjo que aportaram em 2021, também participaram.  

O foco do investimento será a sofisticação da tecnologia utilizada no B4A Connect, plataforma que conecta marcas de beleza, consumidores e influenciadores digitais. Para isso, os times de tecnologia, comercial e marketing devem crescer. A ideia é melhorar ainda mais a experiência do usuário na plataforma.

“O mercado de e-commerce de produtos de beleza é extremamente competitivo, mas acreditamos que temos vantagens ao redor de nossas estratégias de gamificação da experiência de compra, distribuição de conteúdo gerado por usuários, uso de machine-learning para oferecer um match de produtos, entre outros”, comenta Jan Riehle, presidente e fundador da B4A.

Foto de Jan Riehle, presidente e fundador da B4A - Startups
Jan Riehle, presidente e fundador da B4A

Aquisições no radar

Em 2021, a B4A dobrou a receita em comparação a 2020, com faturamento anualizado (run-rate) de mais de R$ 75 milhões e 170 colaboradores. Em março deste ano, a companhia já atingiu run-rate de R$ 90 milhões e ampliou a equipe para 200 funcionários. 

Para dar continuidade ao ritmo de expansão, a startup pretende começar as negociações para a próxima rodada de investimentos ainda neste ano, com intenção de usar a grana em 2023. “Não precisaremos de mais aporte para financiar um cash burn, o próximo será para um crescimento inorgânico via aquisições”, revela Jan. 

A expectativa, segundo o presidente, é dobrar o número de assinantes para 200 mil até o fim do ano. As assinaturas vêm dos clubes de beleza adquiridos pela B4A em 2017: Glambox e Men’s Market. Além das mensalidades para envio de caixas com produtos variados (no estilo de concorrentes como UAUBox, Magenta, entre outros), ambas as empresas também contam com e-commerces, produtos de marca própria e canais para divulgação de conteúdo e troca de conselhos entre os consumidores.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões