fbpx
Compartilhe

A aceleradora BlackRocks Startups desenvolveu uma plataforma que propõe a conexão entre empreendedores negros liderando startups e especialistas dispostos a oferecer mentorias.

Com uso de inteligência artificial (IA), a plataforma Expert tem o objetivo de escalar e automatizar parte do processo envolvido em facilitar conexões entre mentores e mentorados. O lançamento do sistema, previsto para a primeira semana de agosto, vem na esteira do aniversário de 6 anos da BlackRocks, que é liderada por Maitê Lourenço e começou suas atividades facilitando mentorias.

Em entrevista ao Startups, Maitê falou sobre a motivação para a criação da Expert, que visa tornar mentorados experts e ao mesmo tempo, trazer experts para contribuir para o desenvolvimento dos profissionais. Segundo a CEO, as conexões entre empreendedores e potenciais mentores foram muito prejudicadas com o distanciamento social e a interrupção de eventos presenciais impostos pela pandemia. Por outro lado, os eventos e atividades online possibilitaram que públicos em território nacional entrassem no radar da aceleradora.

“Ao longo dos últimos anos, desenvolvemos um trabalho de tamanha importância que as pessoas querem estar muito próximas de nós, mas não conseguíamos acolher a todos. Além disso, foi uma forma estratégica de continuarmos tendo relevância para os dois públicos e estabelecer a manutenção destas relações”, diz a executiva, em referência não só ao seu público-alvo principal, que são empreendedores e empreendedoras negras, mas também profissionais negros e não-negros que querem se envolver com o trabalho da BlackRocks de alguma forma.

“Nossa ideia é, de 2022 em diante, continuar online para poder alcançar mais pessoas, construir cada vez mais vínculos e essa nossa rede, que é fundamental para o nosso trabalho. A BlackRocks nasceu fazendo redes e conectando pessoas, e a plataforma leva a autonomia do empreendedor para um outro nível”, acrescenta Maitê.

Como a plataforma da BlackRocks funciona

A Expert vai receber as inscrições de empreendedores – que, em um momento inicial, são os fundadores por trás das mais de 30 startups aceleradas pela BlackRocks – e de mentores. Estes últimos passarão por uma avaliação do time da aceleradora, que dará a palavra final sobre a admissão na rede. A partir daí, mentores poderão definir os horários que estão disponíveis para as atividades com empreendedores, e o sistema automatiza o processo de alocação e match entre as partes, de acordo com a expertise procurada e ofertada.

A CEO da BlackRocks, Maitê Lourenço

A BlackRocks dividiu as expertises específicas que busca para a plataforma em cinco pilares, que refletem as necessidades dos empreendedores. São eles: vendas e comercial; marketing; design, que pode incluir especialidades como design gráfico e de experiência; tecnologia em suas diversas aplicações, e administração, que engloba as disciplinas de contabilidade, finanças e recursos humanos.

A meta inicial da BlackRocks é ter ao menos 1 mil pessoas cadastradas na plataforma em 2022, entre mentores e mentorados. Para além do propósito inicial de conexão, Maitê diz que a Expert também deve ajudar a aceleradora a conhecer mais negócios, além de aprimorar o conteúdo dos programas de aceleração, já que empreendedores vão expressar suas necessidades através do sistema. Segundo a CEO, a ideia é ampliar o escopo para profissionais negros em busca de mentoria, além dos que atualmente lideram startups.

A aceleradora também quer atrair mais empresas parceiras que queiram acessar o pool de especialistas e empreendedores para desenvolver projetos específicos, já que a plataforma baseada em IA vai mapear e gerar insights sobre as competências dos envolvidos. A PwC faz parte do pool inicial de empresas que acessam a plataforma para se conectar aos negócios liderados por pessoas negras.

“Entendemos que as empresas tem muita dificuldade de conseguir ter contato com estes profissionais. Nosso objetivo é conectar as pontas para organizações e agregar valor também para estes públicos corporativos”, ressalta Maitê.

Segundo a CEO, o envolvimento corporativo na Expert pode ser considerado uma ação antirracista, portanto relacionada a objetivos em social, governança e meio ambiente (ESG). “Por exemplo, uma mentoria com alguém de uma empresa X pode gerar uma outra conexão, que pode gerar uma outra ação. O intuito dessa plataforma é ser realmente uma uma ponte, que inclusive gera outras pontes”, finaliza.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões