fbpx
Compartilhe

A fintech BRBatel multiplicou seu valuation em 8 nos últimos 12 meses, passando de R$ 20 milhões em novembro de 2020 para os atuais R$ 150 milhões. A conquista vem acompanhada de um novo aporte, de valor não revelado, realizado pelo family office Doninelli Participações.

A startup realiza operações de crédito para companhias de todos os setores, mas com um foco especial para agronegócio, imobiliário, industrial, varejo, logística e energia. O dinheiro do aporte será usado para fazer investimentos em marketing e aumentar o time de colaboradores de 26 para 40 até o final do primeiro semestre de 2022.

A startup também quer aperfeiçoar a tecnologia de sua plataforma proprietária, automatizando as operações de concessão de crédito. “A gente quer que o cliente faça tudo online – a solicitação do crédito, o acompanhamento da operação e o desembolso – para que não precise ir até a instituição financeira”, diz Lucas Flores, um dos sócios-fundadores da BrBatel.

A comodidade das operações online não é só para o cliente. Com tecnologia de ponta, a startup consegue identificar o melhor produto de crédito para cada situação e, ainda, tornar os processos de análise de crédito ainda mais rápidos. “Hoje a gente consegue dar uma resposta sobre a proposta do cliente em 3 dias. Vamos aprimorar o sistema de análise e gestão dos documentos com todo o conforto que a tecnologia consegue entregar”, completa.

O novo aporte vai gerar a oportunidade para a startup desenvolver iniciativas voltadas à área educacional do mercado, trazendo conhecimento de forma objetiva para que as empresas saibam tomar crédito de uma forma simples, direta e assertiva. Segundo o executivo, a BRBatel evita usar palavras em inglês e oferece materiais didáticos para apoiar os clientes nesse processo.

Sócios-fundadores da BrBatel: Gabriel Nasser, Julio César Doninelli, Lucas Flores e Marcos Mendonça
 

Diferenciais

“A pessoa física é cada vez melhor atendida. Mesma coisa com as grandes empresas, que têm o apoio dos bancos, e das microempresas, bem atendidas pelas fintechs. Mas há uma carência no caso das pequenas e, principalmente, médias empresas. Por isso, decidimos focar nesse segmento”, afirma Lucas.

Em 1 ano, a BrBatel viabilizou mais de 50 operações para empresas do Brasil inteiro e atingiu R$ 650 milhões em operações realizadas, além de contar com mais de R$ 1,2 bilhão em operações em andamento. A startup, que faturou cerca de R$ 700 mil em 2020, espera um caixa acima de R$ 12 milhões em 2021. No próximo ano, a companhia deve quadriplicar o negócio, gerando entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões de faturamento, e realize R$ 3 bilhões em operações de crédito.

Para o sócio-fundador, o sucesso reflete algumas estratégias do negócio. “A maioria das fintechs tem só 1 produto. Nós trabalhamos com um portfólio variado”, explica. Para as empresas do agronegócio, por exemplo, a BrBatel oferece crédito para a aquisição de áreas rurais, capital de giro, investimentos gerais e melhoria do endividamento. No caso de energia, apoia a construção de pequenas e grandes centrais hidrelétricas, usinas solares e eólicas, antecipação de contratos de venda de energia e melhoria do endividamento.

“Os grandes bancos também têm variedade de produtos, mas não tem a mesma velocidade das fintechs”, diz Lucas, explicando a vantagem de sua empresa sobre as instituições financeiras mais tradicionais. “Tecnologia e automatismo entregam uma solução de qualidade em muito menos tempo. Esse timing é vantajoso para os clientes”, diz o empreendedor.

Como diferencial aos bancos e às próprias fintechs, ele destaca a especialidade de atendimento. “Temos um especialista de agronegócio e imobiliário trabalhando conosco, pessoas que atuam na área e entendem a dinâmica do setor e as dores de quem trabalha no ramo”, explica Lucas. Com o atendimento especializado, a startup pode desenvolver produtos mais assertivos às necessidades dos clientes.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões