fbpx
Compartilhe

A concessão de crédito a compradores não é uma novidade para as empresas brasileiras por conta da dificuldade de acesso a linhas de financiamento no sistema financeiro tradicional. Mas será que a análise de riscos e oportunidades é feita da melhor forma possível? Na avaliação de Thiago Saldanha, que sentiu na pele como o crédito para pequenas empresas é travado por aqui, a resposta é não.

E foi a partir dessa constatação que ele decidiu montar a CashU. A ideia é oferecer a empresas um motor de análise de crédito que usa inteligência artificial para auxiliar na tomada de decisões. E não só de maneira reativa. Recomendações do que pode vir a ser feito – como aumentar a linha de crédito de um bom cliente que está chegando perto de seu limite, ou restringir o financiamento a um outro que apresenta sinais de dificuldade para fazer pagamentos – também entram no jogo.

Para turbinar essa proposta, a companhia acaba de fazer sua 1ª captação com investidores institucionais. O aporte de R$ 6,1 milhões foi liderado pela ABSeed e contou com a participação dos fundos Caravela, ScaleXOpen e Bertha Capital, além de investidores anjo.

Segundo Thiago, ao trazerem o modelo de atuação típico das fintechs para dentro de casa, as empresas internalizam uma inteligência que hoje acaba sendo entregue a terceiros que prestam esse tipo de serviço, como a Supplier, da Totvs e a Trademaster.

O fundador reforça que o objetivo da CashU não é oferecer o funding para as operações de crédito, como outras empresas normalmente fazem. A companhia atua apenas na parte da modelagem – que usa majoritariamente o histórico de transações de um cliente com a companhia, mas também tem ganhado o reforço de outros tipos de dados para ser construída. “Fizemos muitos experimentos para ter certeza que tínhamos um motor de crédito muito assertivo. E quando comparamos com modelos do mercado, o resultado é 3 vezes superior”, se gaba o fundador. A inteligência da modelagem foi desenvolvida por Yuri Fonseca, cofundador com experiência em ciência de dados em empresas como Facebook, Amazon e Uber. A ideia também é, com o tempo, ir adicionando novas opções de serviços, como seguro de crédito, capital de giro e Buy Now Pay Later (BNPL).

Nascida em outubro de 2019, a startup tem atualmente uma equipe de 20 pessoas, sendo 2 PhDs (entre eles o cofundador Yuri) e atende companhias como Whirlpool, Athena, Pet2Pet, Copa Energia, o marketplace Zax, a Unipetro. A companhia também está em um projeto à plataforma de sistemas de gestão da Sky.One Solutions para ser o motor de crédito que atende uma base de 300 mil empresas.

Segundo Thiago, o perfil de cliente que faz sentido neste 1º momento são empresas com receita entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão que tenham uma pegada de tecnologia em suas operações. Ele diz que 3 segmentos têm se destacado nessa fase de busca pelo market fit da oferta: vestuário, distribuição de produtos pet e   Com a captação, o plano é ampliar a equipe para 35 a 40 pessoas em um prazo de 3 meses. A meta é manter um crescimento de 20% mês a mês.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões