fbpx
Compartilhe
Boa tarde,

Ao anunciar sua série C de US$ 130 milhões, a mineira Hotmart anunciou também que é um unicórnio. E não foi este ano. Foi ano passado que ela chegou a esse estágio.

É curioso que enquanto tem empresa se estapeando e fazendo malabarismo para dizer que atingiu esse patamar – que está até ficando bem comum com a liquidez dos mercado -, outras levam um tempo, ou até preferem não dizer que chegaram ao panteão. Nas minhas contas, tem umas 3 ou 4 companhias nessa categoria. Parabéns pela postura anti-hype!

De resto, a semana foi animada, com mais duas aquisições do Magazine Luiza; dança das cadeiras no Nubank, com Cristina Junqueira assumindo o comando da operação no Brasil e David Vélez (que passou a integrar a lista de bilionários da Forbes) se tornando o presidente global; Davi Miyake trocando a 99 pela Liv Up; a liberação dos pagamentos no WhatsApp pelo Banco Central e o 1º trimestre somando US$ 1, 9 bilhão em aportes, o equivalente a 54% de todo o ano de 2020.

Boa leitura.

Gustavo Brigatto
Fundador e Editor-Chefe

SEMANA DE 29 MARÇO a 4 de ABRIL

RODADAS DE INVESTIMENTO

  • A mineira Hotmart levantou uma série C de US$ 130 milhões (R$ 735 milhões) liderada pelo TCV que contou com a participação da Alkeon Capital. O aporte foi negociado em um prazo de duas semanas. Ao anunciar o investimento, a Hotmart disse que já é um unicórnio desde o começo do ano passado, quando levantou recursos para comprar a americana Teachable;
  • O aplicativo/rede social para investidores TradersClub levantou uma rodada de R$ 72 milhões com sua base de usuários e nomes como Diogo Roberte, fundador do PicPay. Foram 50 investidores ao todo. O TC tem 500 mil usuários cadastrados, sendo 150 mil pagantes;
  • DeliRec, uma rede social recém-criada voltada ao mundo da culinária, levantou uma rodada seed liderada pela Astella. O valor do aporte foi de R$ 6,5 milhões, avaliando a companhia em R$ 65 milhões;
  • A  vhsys, que desenvolve uma plataforma de gestão voltada a micro e pequenas empresas, recebeu um novo aporte da Stone. A série B como está sendo chamada (ou path to control?) vem depois do investimento inicial feito em 2019;
  • Qyon Bank pretende investir R$ 100 milhões para disputar o mercado de contadores com Omie e Conta Azul. A companhia foi fundada por Maurício Frizzarin, fundador da Folhamatic, fundada para a inglesa Sage em 2012 por R$ 400 milhões;
  • O unicórnio uruguaio dLocal multiplicou por 4 o seu valuation em cerca de 6 meses. Em uma série C de US$ 150 milhões, a companhia foi avaliada em US$ 5 bilhões. A rodada foi liderada pelo Alkeon Capital e contou com a participação do BONDD1 Capital Partners (que liderou a mais recente rodada da Loft) e do Tiger Global.
  • Falando em D1, a gestora coliderou com a Stripe, uma rodada de US$ 115 milhões na fintech Ramp, que oferece cartões de crédito para pequenas empresas nos EUA. Isso mesmo, uma competidora da Brex, fundada pelos brasileiros Henrique Dubugras e Pedro Franceschi.  Com o aporte, a companhia foi avaliada em US$ 1,6 bilhão;
  • Lembra do aplicativo de entregas Glovo, que saiu meio fugido da América Latina ano passado? Pois é. Parece que a estratégia de se focar na Europa e no Oriente Médio está rendendo frutos. O unicórnio espanhol levantou uma série F de 450 milhões de libras liderada pelos americanos Lugard Road Capital e Luxor Capital Group. Atuais investidores como o alemão Delivery Hero, Drake Enterprises e GP Bullhound também participaram. Com a rodada, a companhia de 6 anos soma mais de 900 milhões de libras captados;
  • Substack – plataforma de envio de newsletters que oferece remuneração para produtores de conteúdo, onde esta neswletter CODEX nasceu – levantou uma série B de US$ 65 milhões valendo US$ 650 milhões. A Andreessen Horowitz (grande promotora global do conceito de passion economy, com investimentos também em nomes como Medium e no Clubhouse, e que já investia no Substack, liderou o aporte. Será que vale isso tudo?
  • Apple liderou uma série B de US$ 50 milhões na UnitedMasters, uma startup que quer ser uma nova opção para músicos distribuírem suas obras – além de poderem interagir com fãs e venderem merchandising. A Andreessen e a Alphabet também participaram da rodada.

FUSÕES E AQUISIÇÕES

  • Magazine Luiza fechou a compra de mais duas empresasTonolucro, de entrega de comida com atuação forte em Tocatins, Goiás e Pará e GrandChef, que desenvolve tecnologias para gestão de pequenos e médios restaurantes. Os valores não foram revelados;
  • De olho na oferta de investimentos alternativos para seus clientes, o BTG comprou uma participação minoritária na gestora americana Kawa Capital, que tem R$ 10 bilhões sob gestão;
  • Zee.Dog comprou a fabricante de comida para cachorro Eleven Chimps para criar uma nova vertical de venda de comida no modelo de assinatura.
  • Bruno Nissental, fundador da Oktoplusrecomprou 100% da participação de investidores na companhia. Com a operação, que não teve valor divulgado, deixaram o captable Pedro de Paula — filho de Jaime de Paula, fundador da Neoway, que aportou capital no início do negócio, em 2013 — e a CVentures, fundo de venture capital de Florianópolis que tinha feito dois cheques para a startup em 2015 e 2016 (aportes que somaram R$ 1,7 milhão).
  • Spotify comprou a Betty Labs, desenvolvedora do aplicativo Lockerroom, concorrente do Clubhouse. A ideia é oferecer a possibilidade de ter salas ao vivo no aplicativo – desde o começo eu falo que o CH é um podcast ao vivo, lembra?

NOVOS FUNDOS

  • Clocktower Technology Ventures, braço de venture capital do Clocktower Grouplançou um fundo de US$ 25 milhões para investir em startups de serviços financeiros na América Latina. O novo fundo já tem 4 aportes na região cujos não foram revelados. Desde sua criação, em 2015, o fundo aportou recursos em 96 companhias na América do Norte, Europa e na América Latina – por aqui, foram 8 investimentos, incluindo o neobank Flink, a startup de compra e venda de imóveis Habi e a processadora de pagamentos digitais Kushki;
  • A gestora americana Tiger levantou um dos maiores fundos de venture capital da história, com US$ 6,7 bilhões – ainda longe do Vision Fund, da SoftBank, mas muito dinheiro para qualquer outra gestora. O 13º fundo da gestora tinha como objetivo levantar US$ 3,75 bilhões e acabou levantando o dobro disso. Sem esquecer que ano passado, ela já tinha fechado o seu 12º fundo com US$ 3,75 bilhões.

DANÇA DAS CADEIRAS

  • Davi Miyake deixou o comando da 99 e assumiu o cargo de Chief Revenue Officer na Liv Up. O Startups apurou que ele vinha sendo sondado para assumir uma posição fora do Brasil, mas não queria se mudar, por isso acabou mudando de empresa;
  • A startup de compra e venda de imóveis EmCasa contratou a ex-XP Ana Clara Alves como diretora financeira (CFO);
  • O cofundador do Buscapé, Ronaldo Takahashi, e o ex-executivo da companhia, André Ghion, se juntaram à Movile como CTO (Chief Technology Officer) e CPO (Chief Product Officer), respectivamente. Eles atuavam anteriormente na venture builder Move2;
  • Depois de se juntar à D1, a Zenvia anunciou a chegada de três novos executivos para as áreas de atendimento ao cliente, marketing e operações e uma mudança interna. Murilo Costa é o novo Chief Revenue Officer (CRO), Rogério Perez responderá como CXO (Chief Experience Officer) e Raphael Godoy assume o cargo de CMO (Chief Marketing Officer), substituindo Gabriela Vargas, que passa a ser COO
  • Escondida na divulgação do balanço de 2020, o Nubank colocou a informação de que Cristina Junqueira assumiu o comando da operação no Brasil, substituindo David Vélez. O colombiano passou ao posto de presidente global da companhia, dando mais corpo às ambições internacionais do neobank (que deve ira para a Nasdaq em 2022;
  • Rômulo Dias não teve nem teve de esquentar o banco no PicPay. Um mês depois de ingressar na companhia vindo do PagSeguro, o executivo deixou a operação. De acordo com a empresa de pagamentos que está à véspera de um IPO, a saída foi por motivos pessoais;
  • A corretora de criptomoedas mexicana Bitso contratou Marcos Jarne para liderar sua operação no Brasil.

VENTURE BUILDER

  • Investtools, que desenvolve um software usado por gestoras de investimento, está se posicionando como uma venture builder de empresas para o segmento financeiro. A empresa é investidora do Grana Capital, um app que automatiza processos de cálculo, pagamento e declaração de IR para operações de renda variável, que nasceu dentro dela. Ela também ajudou a fundar o Trampolin, plataforma de banking as a service (BaaS), e o Blockchain Studio, que desenvolve projetos com blockchain. A companhia também está em negociação com um novo investidor.

ENTREGA NO MESMO DIA

  • Com Alex Szapiro às vésperas de deixar o comando da operação no Brasil rumo à SoftBank, a Amazon anunciou que vai começar a entregar produtos no mesmo dia no país. A opção está disponível, por enquanto, apenas para mora na região central de São Paulo e para alguns produtos. O valor da entrega é de R$ 14,90 para quem assina o Prime e R$ 18,90 para os outros clientes da companhia.  “Quem chega primeiro” tem sido um importante foco da disputa principalmente entre Amazon e Mercado Livre – com Magalu e Americanas um pouco mais distantes nessa corrida.

HOJE SIM, HOJE SIM

  • Banco Central liberou a funcionalidade de pagamentos e transferências pelo WhatsApp. O recurso tinha sido lançado ano passado, mas foi barrado pelo regulador sob a alegação de não atender às regras do sistema financeira nacional. Agora é só esperar a opção ficar disponível no aplicativo – e os modelos de negócios loucos que vão aparecer por aí. Parabéns, Zuck!

APOIO PRORROGADO

  • iFood ampliou por 15 dias as medidas de redução de taxas, antecipação de recebíveis e linhas de crédito facilitadas para restaurantes. O aplicativo também anunciou um programa piloto de parcerias em apoio aos restaurantes nas cidades do Rio de Janeiro e Campinas – com planos de expansão para todo o Brasil -, no qual oferecerá descontos e facilidades nas despesas mensais dos estabelecimentos cadastrados. O programa contará com empresas que proporcionarão uma grande redução de custos para os proprietários dos estabelecimentos, como SupergasbrasContabilizeiBMG SegurosPranabankNeoGourmetWorc e Vivo.

CARTEIRA ABERTA

  • A carteira digital da 99, lançada em meados de 2020, chegará a São Paulo ao Rio em abril e estará disponível em todo o Brasil até o fim do 1º semestre. O serviço já tem 1,3 milhão de usuários ativos

MAIS UM ANO DE RECORDE

  • O 1º trimestre de 2021 somou US$ 1,9 bilhão em investimentos em startups, segundo o Distrito Dataminer. Os recursos foram divididos em 155 aportes e representam 54% dos US$ 3,5 bilhões investidos ao longo de 2020. O número é turbinado por grandes rodadas como os US$ 425 milhões captados pela Loft, mas ainda assim é um forte indicativo de que o ano deve trazer novo recorde de investimentos.

RECOMENDAÇÕES DE LEITURA

FALTOU DA SEMANA PASSADA

  • Flapper, espécie de Uber para jatinhos, concluiu uma rodada série de US$ 2 milhões. A rodada foi liderada pelo fundo aerospacial gerido pela Confrapar, que já investia na companhia, e teve participação da Investidores.VC, do ex-presidente da Abstartups, Amure Pinho. Também compôs a rodada a captação de R$ 2,5 milhões por meio da plataforma de equity crowdfunding SMU;
  • Essa já tem algumas semanas, na verdade… a VTEX comprou a Workarea para avançar no Canadá e nos EUA.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões