fbpx
Compartilhe

Boa tarde,

Sempre que eu ligava para a minha vó materna, duas coisas me chamavam a atenção. Primeiro que bastava dizer “oi” para saber quem era. Ela reconhecia a voz de todos os netos e netas logo de cara. Outra coisa era a resposta dela para a pergunta se ela estava bem: tirando o que tá ruim, tá tudo ótimo. E quando o Nubank soltou os números dele referentes ao 1º semestre na semana passada, foi essa cena que me veio à cabeça.

O lucro de R$ 75 milhões obtido no período reverteu um prejuízo R$ 95 milhões da mesma época do ano passado. Um novo tempo, apesar dos perigos, certo? Médio. O resultado se refere só à operação no Brasil, excluindo a controladora Nu Holdings e as subsidiárias no México, Colômbia e Argentina. Tudo bem que o Brasil é a maior operação do neobank, e com quase 10 anos, caminha para a maturidade, o que torna esperada a rentabilidade. Considerando também a ingestão da Easynvest isso fica ainda mais natural. Mas se levarmos em consideração que as operações internacionais estão no começo e são consumidoras de caixa, não dá pra pensar que o Nubank entrou no azul.

O lucro na operação brasileira é mais uma sinalização, um gesto de boa fé com possíveis investidores às vésperas do IPO, do que uma virada maravilhosa. Tirando o que tá ruim, tá tudo ótimo, diria minha avó.

Boa leitura e boa semana.

Gustavo Brigatto
Fundador e Editor-Chefe


Semana de 11 a 17 de Outubro

RODADAS DE INVESTIMENTO

  • Swile, startup francesa que atua no mercado de benefícios, recebeu um aporte de US$ 200 milhões liderado pelo SoftBank Latin America Fund. Com o aporte, a startup garantiu o título de unicórnio e fez a virada de marca da Vee, comprada por ela em fevereiro;
  • A fintech mineira Contajá se prepara para ganhar tração com o seed de R$ 1,2 milhão que acaba de levantar pela CapTable. A rodada, concluída em 43 horas, atraiu 312 investidores que realizaram aportes a partir de R$1 mil. O valor captado pela startup será usado para ampliar os times de TI e comercial, em campanhas de marketing e na aquisição de licenças tecnológicas. Com um valuation de R$ 12 milhões, a Contajá possui hoje mais de 900 clientes ativos — somente nos últimos 2 meses conquistaram 200 novas empresas e esperam fechar 2021 com mais de mil;
  • A empresa de realidade aumentada Magic Leap, que tem entre sues investidores a Globo – e que tem enfrentado dificuldades para colocar sua tecnologia no mercado -, levantou uma rodada de US$ 500 milhões que avaliou a companhia em US$ 2 bilhões;
  • As edtechs Bits AcademyNoby e GoNew receberam R$ 1,15 milhão em aportes feitos pela Bossanova em agosto. O montante representa 36,68% de todo o valor direcionado a edtechs pela gestora desde sua fundação, em 2015;
  • Quase 10 anos depois de ter realizado o primeiro investimento da Zee.dog, a DXA Invest fez um novo aporte em um negócio voltado ao mercado de animais de estimação. A gestora de private equity aportou R$ 12 milhões na Docg, uma indústria farmacêutica criada em Curitiba (PR).

FUSÕES E AQUISIÇÕES

  • A argentina Digital House comprou a brasileira Rocketseat por R$ 150 milhões pra reforçar sua atuação na preparação de mão de obra para o mercado digital. É a 2ª movimentação feita pela empresa brasileira, que no fim de 2020 já tinha se juntado com a Shawee.
  • Em resposta a pedido de esclarecimento da CVM, a B3 informou o mercado que está em negociações para comprar 100% da Neoway. A operação ficaria na faixa de R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões, segundo o Pipeline.
  • Warren entrou com o pé direito no mercado de gestão de patrimônio por meio da união com o multi-family office Vitra Capital, que tem hoje mais de R$ 12 bilhões de ativos sob gestão. Com a operação, de valor não divulgado, nasce uma nova empresa no ramo das wealthtechs, oferecendo soluções tecnológicas para o mercado de investimentos e gestão de ativos. A movimentação estratégica impulsiona o plano da Warren de se tornar a maior corretora do país, superando gigantes como o banco BTG e a XP Investimentos, com mais de R$ 700 bilhões sob gestão. Com a fusão, a fintech – que em abril tinha R$ 6 bilhões em ativos sob gestão e 200 mil clientes – dobrará de tamanho, saltando para mais de R$ 20 bilhões de ativos sob seu guarda-chuva.

再见中国

  • A Microsoft resolveu dar um adeus à China. Mas para só um de seus produtos, o LinkedIn. Segundo a companhia, seguir as regras do governo local tá bem difícil, o que motivou a decisão de deixar o país. A ideia é lançar uma versão mais enxuta da plataforma, o InJobs, que vai ser só um mural de vagas antes do fim do ano.

NOVO MERCADO ONLINE

  • O supermercado Justo anunciou sua entrada no mercado brasileiro a partir deste mês. Fundado pelo mexicano, Ricardo Weder e pelo brasileiro, Ricardo Martinez, o Justo tem o propósito de usar a tecnologia e os dados para promover o comércio justo, estimular o consumo de produtos mais frescos, comercializar sob o uso consciente de recursos e oferecer um atendimento personalizado com atenção aos detalhes raramente vistos. Ao eliminar os intermediários e manter a operação 100% digital, a empresa opera com produtos de produtores locais, os capacitando e dando-lhes acesso para vender seus produtos online. O início da operação aconteceu pouco mais de 1 mês depois de a empresa ter recebido um aporte de US$ 40 milhões.

MAIS RECURSOS

  • Bossanova anunciou uma parceria com o Sebrae Santa Catarina para investir até R$ 20 milhões em startups. Nomeado de INOVA, a iniciativa tem como objetivo selecionar e impulsionar negócios inovadores em vários setores na região Sul e em outras localidades. Para participar, as startups precisam ser B2B com mais de um ano e meio de fundação; já terem encontrado o PSF (problem-solution-fit) por meio de produtos ou serviços que já estejam validados; com faturamento de no mínimo R$20 mil mensais e próximas ao break-even; negócios com modelos SaaS e que já tenham sido acelerados ou recebido investimento-anjo, entre outros pontos.

NOVO UNICÓRNIO NA ESTRADA

  • CargoX está na reta final de uma série F de US$ 200 milhões na qual deve ser avaliada em US$ 1 bilhão post money, o que a coloca no panteão dos unicórnios, segundo o Brazil Journal. A rodada é liderada por Tencent e SoftBank.

NÚCLEO IB TECH

  • A Genial escalou o colunista do Startups Venancio Velloso para comandar uma nova área de negócios no banco de investimentos dedicada a tecnologia. O núcleo IB Tech quer ser o assessor financeiro das startups em busca de rodadas privadas de capital, em ritmo acelerado de aquisições e também a caminho da bolsa. Na missão, Velloso forma dupla com Aline Andrelo, que está no corporate do banco há três anos e também no comitê de inovação. Vai ter que combinar o jogo com o Itaú BBA, BTG e XP, que também disputam esse filão!

NÃO TÁ LEGAL NÃO

  • Logo depois do anúncio do 1º lucro do Nubank, veio a público que o neobank foi alvo de uma denúncia feita por outras empresas do setor de pagamentos de que ele tem inflado sua receita ao cobrar de lojistas uma taxa de cartão de débito as operações feitas com um cartão que seria pré-pago. A denúncia feita pela Getnet, do Santander, que se prepara para virar uma empresa independente, envolve também a bandeira Mastercard, que seria conivente com a prática de um de seus maiores clientes no mundo. O Banco Central está com uma consulta aberta para mudar as regras das taxas que movimentam esse mercado. A movimentação derrubou as ações do PagSeguro e pode afetar também a receita do Nubank.

PÁGINAS POLICIAIS

  • Quem também é alvo de reclamações é o PagSeguro. A denúncia de Fábio Souza Lima, fundador da Tilix, é de que a companhia teria agido de má fé depois da compra da startup, em 2018. O que seria o negócio da vida dele acabou virando um inferno e um caso de polícia – com Fábio sendo preso por coação.

DANÇA DAS CADEIRAS

  • Cerc fez duas contratações para reforçar sua atuação no segmento de seguros. Lucy Pamboukdjan assume como diretora da unidade de negócios e Leonardo Botelho será o head de tecnologia;
  • Felipe Rizzo, que era head de estratégia e planejamento do Uberassumiu o comando do WeWork no Brasil, apurou o Neofeed. A companhia confirmou a saída de Lucas Mendes (cujo destino ainda não foi revelado).

RECOMENDAÇÕES DE LEITURA

ANÁLISES

Veja todas as análises