fbpx
Compartilhe

Após 2 anos de namoro, a fintech catarinense de empréstimo pessoal Credoro e a paulistana Cobre Fácil, plataforma de gestão de cobrança e serviços financeiros, decidiram fundir os negócios. A nova empresa, resultante da fusão, recebeu um investimento de R$50 milhões da holding americana FEBA Capital, que já havia investido anteriormente em ambas as startups. As duas marcas continuarão a existir.

O movimento lembra a união entre Rebel e Geru, que deu origem à OpenCo. Outro, mas no mercado de logística, foi a junção da Cargo X e da Fretebras, criando a Frete.com. A consolidação de empresas que atuam em segmentos semelhantes, para ganhar escala, é um fenômeno que deve ganhar relevância ao longo de 2022.

O novo negócio une a expertise em concessão de créditos da Credoro ao portfólio de recebíveis da Cobre Fácil, visando aprimorar os produtos já oferecidos e abrir novas possibilidades para o futuro. Apesar da fusão, as duas empresas seguem com suas operações independentes, por questões estratégicas. “Criaremos uma holding de serviços financeiros para, no longo prazo, oferecer outros serviços, e fazer mais fusões e aquisições”, diz Paulo Henrique, presidente da Cobre Fácil.

Os presidentes da Credoro, Marcos Paulo Tridapalli (à esq), e Paulo Henrique, da Cobre Fácil

A previsão de integração total das empresas é de três meses, quando serão definidas projeções financeiras, entre outros detalhes. “Ainda vamos definir um plano de ação para alocar os recursos, mas em um primeiro momento devemos consolidar a base de clientes”, acrescenta Marcos Paulo Tridapalli, presidente da Credoro.

Por ora, Marcos Paulo adianta que, a partir da fusão, serão mais de 50 mil cadastros ativos em todo o Brasil e uma equipe composta por 35 colaboradores – com expectativa de que esse número dobre até o fim de 2022. Juntas, as empresas esperam triplicar as operações de crédito para R$ 150 milhões.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões