fbpx

Com IPO nesta quinta, Méliuz tem como desafio se fortalecer no mundo off-line (competindo com Pão de Açúcar e Drogasil)

Compartilhe

Não sei se Eric Acher e Israel Salmen são fãs de Smashing Pumpkins, mas, se fossem, imagino que devam estar cantando os primeiros versos da música “Today”. Talvez gostem de U2, o que traz “Beautiful Day” para a vitrola – ou melhor, para a playlist do Spotify.

Seja como for, os dois têm motivos para comemorar já que daqui a pouco, a Méliuz, uma das investidas da Monashees, vai estrear na B3. É o primeiro IPO da gestora que foi uma das primeiras a apostar no mercado de venture capital no Brasil.

É também um marco importante para o mercado como um todo, já que mostra que empresas que seguem o ciclo completo de investimentos no país têm espaço para ter no mercado de capitais uma opção de saída para seus investidores – e no segmento principal de listagem, olha que maravilha! Desculpa Bovespa Mais.

Mas como disse Fernando Cirne, da Locaweb. A jornada não termina ainda. Voltando mais uma vez aos Smashing Pumpkins, “The End is the Begining is the End”.

A Méliuz nasceu e se fortaleceu no mundo online. O que é bom por conta do impulso que o comércio eletrônico ganhou nos últimos meses. Mas não resolve já que o varejo offline vai continuar sendo 90% do total por um bom tempo.

Desde 2016 a Méliuz vem tentando se estabelecer também no mundo físico. Mas ainda não conseguiu estabelecer o efeito de rede que é necessário para realmente se declarar vencedor nesse mercado.

A vida ficou um pouco mais difícil com chegada de um competidor forte nas últimas semanas: o Stix, o programa de fidelidade criado por meio de uma parceria entre Pão de Açúcar e a Raia Drogasil.

Um caminho para a Méliuz – e que certamente animou os investidores – são as teses de fintech e marketplace, se tornar uma carteira digital. Mas é bom lembrar que ela não está sozinha nessa disputa. São mais de 600 carteiras disponíveis no Brasil. Como se diferenciar?

O IPO da Méliuz saiu precificado na ponta mais baixa da faixa definida pelos bancos: R$ 10 – mas saiu, diferentemente da Wine que acabou desistindo da oferta, o que já é um sinal positivo.

Tipicamente, as ações das companhias sobem na faixa de 10% a 20% nos primeiros momentos de negociação – Snowflake foi um caso beeeem a parte. A ver se a euforia do mercado dos últimos dias irá se manter ou se algum outro fator externo vai colocar água no chopp da comemoração.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões