fbpx
Compartilhe

Na 1ª aquisição de sua história, a Conta Simples fechou a compra do Hackr Ads, uma plataforma para criação e gestão de anúncios no Facebook/Instagram e no Google. O negócio, que envolveu dinheiro e troca de ações não teve o valor divulgado.

A compra está em linha com o plano da fintech de ser mais do que um banco digital para empresas e se tornar um “sistema operacional” para os negócios, oferecendo outros serviços que façam sentido no dia a dia – e que gerem oportunidades para a oferta de serviços financeiros.

Essas ofertas ficarão abrigadas sob o guarda-chuva da Conta Simples SaaS, nova unidade de negócios da fintech que será tocada por Igor Gontijo e Phillip Ferreira, fundadores do Hackr Ads.

De acordo com Rodrigo Tognini, cofundador e presidente da fintech, mais a longo prazo, a ideia é usar dados de histórico e performance de campanhas para oferecer empréstimos a quem roda essas ações – na linha do que fazem companhias como a55 e Divibank. A Conta Simples está em processo para se tornar uma sociedade de Crédito Direto (SCD). A expectativa é que a licença do Banco Central seja liberada até o fim do ano.

“A gente se especializou na administração de despesas por meio de cartões corporativos. E mais da metade do volume transacionado nos cartões está na compra de anúncios. Daí pensamos no que poderia ser feito para atribuir valor agregado. E o Hackr se encaixa nisso, com a possibilidade de fazermos bastante cross sell”, diz Rodrigo.

A Conta Simples tem se especializado em atender empreendedores digitais e empresas da nova economia. Na carteira estão 60 mil nomes como Swile, Justos, Favo, IdWall, Mottu e o Startups (que recebeu um investimento minoritário da Conta Simples e da StartSe em novembro/21).  

O Hackr Ads

Nascida em Belo Horizonte em 2019 e com uma equipe de 15 pessoas, o Hacker Ads atende 41 mil empresas e já gerenciou R$ 1 bilhão em anúncios para seus clientes. Ela tem dois pacotes de serviços: o Pro, que custa R$ 49 por mês, e o Ultimate, que sai por R$ 97.

A relação entre as duas empresas começou há cerca de 1 anos quando um cliente da Conta Simples indicou o Hacker Ads para ser incluída no programa de benefícios aos clientes da fintech. Em um evento recente em Belo Horizonte, Rodrigo perguntou a Igor se ele estaria disposto a ouvir uma proposta de alguma companhia interessada no Hackr. A resposta foi sim. “Daí voltamos para dentro de casa e começamos e pensar na tese, conversar com nossos investidores”, conta Rodrigo.

Para fechar a aquisição a Conta Simples contou com a assessoria do escritório FM/Derraik. O Hackr foi apoiado pelo mineiro dcom.  

Mais M&A?

A compra de outras empresas fazia parte dos planos da rodada de série A de R$ 121 milhões que a Conta Simples captou em dezembro/21.

De acordo com Rodrigo, não há previsão de fazer nenhuma outra operação ainda este ano. Segundo ele, o foco no momento é na gestão do caixa e no aumento do runaway da companhia por conta do cenário macroeconômico.

Sobre os planos para fazer uma nova captação de recursos, o cofundador diz que a ideia é começar a pensar em uma série B no início, quando o cenário estiver um pouco mais tranquilo.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões