fbpx
Compartilhe

A edtech Descomplica fechou uma parceria com o SoftBank Latin America Fund para disponibilizar vídeo aulas com fundadores de seu portfólio de investidas. Os cursos serão disponibilizados pela Operator School, plataforma de educação empreendedora do fundo.

Serão mais de 30 cursos sobre como administrar uma startup de sucesso, divididos em duas temporadas. Originalmente publicados em inglês, os cursos ganharam legendas em português, e tratam de temas como cultura de startups, gestão de talentos, como ser uma empresa orientada por dados, entre outros.

Com vídeos com duração entre 40 minutos e 1 hora, a série tem como protagonistas fundadores de empresas apoiadas pelo SoftBank, como Tiago Dalvi, CEO e fundador do Olist; Alessio Alionco, CEO e fundador da Pipefy; Carlos Garcia, CEO e fundador da Kavak; Joana Smith, fundadora da Allhere, além de Marco Fisbhen, CEO e fundador da Descomplica.

Segundo Bety Tichauer, diretora de expansão da Descomplica, a ideia partiu do SoftBank, como forma de ampliar o alcance de conteúdos sobre temas ligados ao empreendedorismo. “O fato de os conteúdos só estarem disponíveis em inglês limita muito a quantidade de pessoas que podem ter acesso ao conteúdo. Temos esse valor da democratização do acesso à educação no nosso DNA, então esta parceria foi um casamento perfeito”, ressalta.

O conteúdo será disponibilizado de graça no canal no YouTube do Descomplica, que tem mais de 3,8 milhões de inscritos, e não tem certificação. Segundo Bety, a edtech não tem planos de monetizar os vídeos do SoftBank de outras formas, mas alguns dos conteúdos serão usados para incrementar os materiais dos cursos de graduação e pós-graduação da startup.

A Descomplica tem um braço de empregabilidade, em que alunos são colocados em contato com empresas após a conclusão dos cursos. Neste contato com corporações, o tema de empreendedorismo é frequentemente mencionado entre as capacidades que empresas esperam de futuros colaboradores, e o conteúdo do SoftBank vem para contribuir nesta frente.

“Apesar deste tema já permear nosso conteúdo, ter estes rockstars do empreendedorismo traz muito valor agregado para os nossos alunos”, diz Bety, ressaltando que o conteúdo não serve só para quem quer abrir uma startup. “Hoje, grandes empresas trabalham com modelos de startup e o intra-empreendedorismo tem muito apelo para as empresas.”

“Quando um funcionário chega com esse conhecimento de como funciona uma startup, já tem um diferencial. Mesmo que [o empregador em questão] não seja uma startup, o pensamento dessa pessoa é mais inovador, o processo de criação e inovação é muito mais ágil. O conteúdo do SoftBank vem para apoiar o desenvolvimento destas habilidades”, completa.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões