fbpx
Compartilhe

A Woof, marketplace de petshops e produtos para animais de estimação, acaba de adquirir a startup de desenvolvimento de softwares ToUp. Com exclusividade ao Startups, o cofundador da Woof, Caetano Altafin, explicou de que forma a aquisição, de valor não revelado, vai impactar os próximos passos da companhia e acelerar o desenvolvimento de suas tecnologias proprietárias.

Fundada em 2018, a Woof (antigamente GoAp) tem a missão de apoiar os pequenos pet shops de bairro – que representam 70% do mercado, mas de forma muito pulverizada – e torná-los mais competitivos frente às grandes marcas como Petz, Cobasi e Petlove. Para isso, a companhia combina a loja virtual com uma plataforma de cursos sobre o universo pet e inteligência de dados. A startup ainda oferece descontos na compra do estoque, sistema de gestão ERP totalmente integrado e atendimento offline personalizado para o animal de estimação.

Já a ToUp nasceu em 2015 como prestadora de serviços de consultoria e desenvolvimento de softwares personalizados. Segundo o fundador Marcos Rodrigues, as soluções digitais criadas pela empresa (como apps e marketplaces) impactaram direta e indiretamente a casa dos milhares de usuários. “Nossa expertise vai potencializar o ferramental tecnológico que a Woof tem acesso, estruturando a coleta, processamento e geração de inteligência através dos dados e interligando toda a cadeia”, diz o empreendedor.

Para o diretor da Woof, Caetano Altafin, absorver a ToUp foi importante por duas razões: o time de desenvolvedores e o forte know-how tecnológico. “A ToUp era quase como uma fábrica de softwares para outros negócios e já tinha experiência com a máquina de vendas no digital”, explica.

O executivo alerta que apenas 5,4% da indústria pet no Brasil está digitalizada. “As pessoas ainda não sabem trabalhar o online. As tecnologias da Woof, com o apoio da ToUp, vão impactar uma indústria de R$ 51,7 bilhões e impactar positivamente os mais de 40 mil petshosp locais”, diz Caetano.

Com a incorporação, a ToUp deixa de existir como marca. A Woof absorve as soluções, as tecnologias proprietárias e todo time da adquirida, que passa a integrar uma equipe de quase 30 pessoas. “Foi um acqui-hire, mas também teve um elemento de equity, com a turma entrando no nosso captable”, pontua Caetano.

A aproximação entre as empresas foi feita por um investidor em comum, a Spin Capital. Responsável pela aceleração de ambos negócios em seus estágios iniciais, o VC considera que a união entre as startups permitirá que elas explorem seus potenciais com um objetivo em comum. “A Woof tem um elemento de gerar impacto social a partir do empoderamento do comércio local. Isso também motivou muito o time da ToUp na decisão de se tornar parte do nosso ecossistema”, destaca o fundador da Woof.

Próximos passos

A Woof tem hoje 3.500 estabelecimentos cadastrados em seu marketplace e atende mais de 270 cidades brasileiras. A meta é chegar a mais de 5 mil pet shops em seu ecossistema online, além de cerca de 100 estabelecimentos presenciais com a bandeira Woof até o fim de 2022. Em termos de dinheiro, a projeção é movimentar um GMV (Volume Bruto de Mercadorias) anual de R$ 60 milhões.

A startup vai aproveitar o conhecimento da ToUp para melhorar sua máquina de vendas e gestão de estoque para pet shops locais. “Vamos aprimorar aquilo que chamamos de petcentrismo – a jornada do cuidado animal centrada nas necessidades de cada pet. Descobrir o que o bichinho precisa hoje, qual é o produto mais adequado e o serviço ideal naquele momento”, diz Caetano.

O diretor adianta que novas aquisições devem acontecer nos próximos anos. “Estamos com outros potenciais parceiros estratégicos no radar que atuam ou com outras verticais pets ou com tecnologias específicas que podem nos ajudar a ter um produto ainda melhor”, pontua.

Sem revelar números, Caetano afirma que a Woof duplicou de tamanho nos últimos meses, impulsionada por um aporte de R$ 6,2 milhões anunciado em fevereiro de 2022. Os recursos, liderados pela BR Angels com a participação de GVAngels, Urca Angels e Anjos do Brasil, foram usados para aprimorar os serviços e desenvoler o produto. Agora, a Woof está em fase de captação de uma rodada Série A a ser concluída nos próximos meses.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões