fbpx

EXCLUSIVO: a55 origina mais de R$ 30 mi em crédito com parcerias no e-commerce e recorrência

Compartilhe

A a55, fintech brasileira que atua em crédito para pequenas e médias empresas usando receitas como garantias, tem obtido resultados bastante satisfatórios pelas parcerias com empresas do ecossistema de e-commerce e recorrência. Somente nos últimos três meses, foram originados mais de R$ 30 milhões em crédito para uso em capital de giro, compra de estoque e marketing digital. 

No total, são mais de 10 contratos assinados com parceiros Galax Pay, Loja Integrada, Magis5 e BWC. No segmento de recorrência, a fintech desembolsou mais de R$ 20 milhões em crédito para mais de 150 clientes de plataformas que usam o modelo. Já no e-commerce foram mais de R$ 10 milhões para mais de 100 clientes e um potencial de acesso a mais de 7 mil lojistas. 

“As parcerias têm como objetivo democratizar o acesso ao crédito dentro de um ambiente em que somos especialistas, que é o de e-commerce e SaaS, além de ajudar a acelerar o crescimento desses negócios”, afirma Jayme Canhada, head de parcerias da a55. A fintech começou a produtizar crédito para o e-commerce em 2019, mesmo ano em que passou a atuar no México, visando melhorar o custo de aquisição do lojista e ser um parceiro de negócios. 

Máquina de gerar crédito

Para 2022, a a55 espera que a área de parcerias cresça 800% e tenha pelo menos mais 16 contratos assinados com novos parceiros neste mesmo formato para continuar potencializando os segmentos. 

No total, já foram originados mais de R$ 200 milhões em crédito, beneficiando mais de 450 empreendedores no Brasil e 39 no México. O faturamento na terra dos tacos e sombreros  teve um significativo crescimento de 2.338% se comparado a 2020. 

A fintech oferece créditos para empresas de tecnologia e e-commerces por meio de uma plataforma que conecta contas bancárias, dados de faturamento, meios de pagamento e inteligência de crédito. Para financiá-los, a a55 tem operações de securitização, como emissões de debêntures, e um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

OPINIÃO

Veja todas as opiniões