fbpx
Compartilhe

A Conquer, escola de negócios da nova economia, anuncia a sua entrada no mercado de ensino superior com cursos de pós-graduação. A plataforma contou com um investimento de R$ 5 milhões – em tecnologia e conteúdo – e levou pouco mais de 1 ano para ser desenvolvida.

Para dar vida ao projeto, a edtech se juntou à ESIC Business & Marketing School Internacional – instituição europeia especializada em gestão de negócios. Com isso, além do diploma de pós-graduação reconhecido pelo MEC, os alunos da pós-graduação Conquer também vão contar com o certificado internacional da ESIC, que pode ser validado em toda União Europeia e na China.

São 5 cursos disponíveis: gestão estratégica de negócios, gestão de projetos, liderança e gestão de pessoas e marketing digital. Com carga horária de 360 horas/aula, a jornada é dividida em 3 etapas: aulas de habilidades específicas; matérias optativas (são 60 opções) e o TCC prático onde o aluno deve resolver um case real do mercado de trabalho. No pré-lançamento (ao longo de dezembro) o valor do curso será de 24x de R$ 290,00. A partir de janeiro, serão 24 parcelas de R$ 430,00. 

“Nossa missão é transformar a educação do país e entrar para o mercado de ensino superior tradicional é mais uma oportunidade para continuarmos a inovar no setor”, afirma Josef Rubin, cofundador da Conquer. Segundo ele, a expectativa é de ter 5 mil alunos na pós da edtech quando completar seu primeiro ano. Para 2021, a projeção de faturamento da empresa é de R$ 60 milhões.

Hendel Favarin e Josef Rubin, fundadores da Conquer

Novas unidades de negócio

Desde que foi adquirida pela Wiser Educação, a Conquer opera em um novo modelo. A companhia foi reestruturada em 4 unidades de negócio, cada uma com um potencial de escala próprio: Conquer in Company, focada no B2B; Conquer Plus, o streaming de educação à la Netflix com mais de 30 cursos; Conquer English, escola de inglês que nasceu neste ano; e a Conquer, escola de negócios.

A edtech foi vendida em junho deste ano à holding de escolas de idiomas criada pelos empresários Flávio Augusto da Silva e Carlos Wizard. A venda, que não teve seu valor revelado, faz parte de uma estratégia maior da Wiser Educação. Em 3 anos, a companhia pretende investir R$ 1 bilhão na incorporação de novas edtechs à sua plataforma. Mais de 40 empresas já estão na mira.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões