fbpx
Compartilhe

ATUALIZADA: Corrige que esse é o 2º spin-off criado pela Falconi, e não o 3º, como a assessoria havia compartilhado anteriormente.

A Falconi, uma das mais tradicionais consultorias em gestão do Brasil, acaba de lançar a Dayway, uma plataforma SaaS desenvolvida para alinhar times e organizar as rotinas das empresas. Esse é o 2º spin-off criado pela consultoria em 2 anos.

A solução traduz objetivos em rotinas diárias para o time, informa as melhores práticas existentes na empresa e direciona ações exibindo informações simples e com velocidade para atuação. O objetivo é facilitar a rotina dos colaboradores, aumentando a previsibilidade de suas entregas, velocidade e assertividade de execução e a tomada de decisões de seus gestores.

O projeto surgiu em 2017, a partir de uma demanda específica da Raia Drogasil, originada da fusão entre as redes Drogasil e Droga Raia. “O cliente sugeriu que fizéssemos um trabalho mais digital para agilizar os processos”, diz Gabriel Espíndola, diretor-executivo da Dayway. Na época, quem estava atendendo a Drogasil era André Jeha, consultor e sócio da Falconi. “Ele trouxe essa ideia para dentro da empresa, apresentou aos diretores e recebeu o aval para desenvolver a solução.”

Foram 3 anos de validação interna. Primeiro, o projeto foi testado na própria RaiaDrogasil e, depois, apresentado para outros clientes da Falconi, como Mercado Livre, O Boticário, Alpargatas, James Delivery e Gerdau. Segundo a Dayway, o uso da plataforma reduz em 20% as perdas com avarias e extravios em empresas de logística e em 32% a perda de itens vencidos em farmácias. Além disso, melhora até 2 pontos percentuais das vendas em empresas do varejo.

“Depois dos testes e da validação, concluímos que o produto tinha aderência de mercado”, afirma Gabriel, que assume o comando da empresa ao lado do diretor de crescimento, Rodrigo Scheliga. Com o spin-off, empresas de todos os portes e segmentos que não sejam clientes da Falconi também poderão usar a plataforma via web, Android ou iOS.

A expectativa é fechar o ano com algo entre 100 e 200 novos clientes. “Temos grandes expectativas para a marca, porque já é uma empresa que nasce internacional, com operações na América Latina, Europa e Estados Unidos”, diz Gabriel. Sem divulgar números, ele afirma que a projeção é triplicar o faturamento em 2022. Em 5 anos, o plano é chegar na B3 como a primeira empresa da Falconi a estrear na Bolsa de Valores. O executivo não descarta uma expansão para o mercado B2C num futuro próximo. 

Foto do Rodrigo Scheliga e Gabriel Espíndola, da Dayway. Startups
Rodrigo Scheliga e Gabriel Espíndola, da Dayway. Foto: Gabriela Marreno

A vez dos spin-offs

Antes da Dayway, a Falconi já havia lançado a FRST, uma plataforma corporativa de educação e aceleração de talentos, e a Mid, consultoria em gestão dedicada às pequenas e médias empresas.

A estratégia por trás dos spin-offs não é nenhuma surpresa: busca por inovação. “A Falconi tem muitos anos de tradição. Internamente, a companhia está buscando cada vez mais inovação e passando por um momento de transformação digital para escalar a nível global”, afirma Gabriel.

Segundo o executivo, a consultoria está estimulando o intraempreendedorismo. “Todo mundo pode ser a nova liderança de um novo projeto. Assim como foi com a Dayway, alguém pode ter um insight, ver uma oportunidade de negócio e apresentar para o corpo diretor. Eles escutam, tentam entender o potencial e como isso se aplica na prática.”

Uma das empreitadas é a Step 1, uma plataforma de gestão para pequenas empresas. A companhia ainda faz parte da Falconi, mas deve ser lançada para todo o mercado no primeiro semestre de 2022. A Falconi tem mais de 700 consultores espalhados por mais de 30 países, trabalhando em mais de 6 mil projetos. Podemos esperar novos spin-offs em breve? “Com toda certeza”, diz Gabriel. “Dezenas deles.”

Sem muitos detalhes, o executivo revela que as conversas já giram em torno de 20 novas oportunidades. “Não posso adiantar muito, mas virão novas empresas SaaS com alta escalabilidade e possivelmente novos mercados”, afirma, acrescentando que a consultoria está trabalhando em diferentes frentes, incluindo cibersegurança, inteligência artificial e machine learning. 

A inovação também virá de fora, já que a unidade de private equity Falconi Capital tem mais de R$ 500 milhões para investir em médias empresas. Em 2020, o braço de investimento fez um aporte (de valor não revelado) na GC Security, de cibersegurança. Juntas, elas se preparam para lançar uma empresa de serviços de segurança da informação.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões