fbpx
Compartilhe

Como se o mercado de proptechs já não estivesse bem movimentado com Loft e Quinto Andar captando centenas de milhões de dólares e valendo outros bilhões, a goiana imobles quer um pedaço deste latifúndio e se prepara para expandir o seu serviço para mais 5 cidades. A empreitada contará com uma ajudinha de R$ 7 milhões obtidos em rodada seed liderada pela Feba Capital e com participação da Terracotta Ventures.

Este é o 2º aporte da startup, que no fim de 2020 já havia recebido uma rodada pré-seed de R$ 1 milhão. A cifra na época foi usada para criar de fato a plataforma e a área de marketing. Agora, além de adentrar novos mercados, o novo aporte também será investido em tecnologia e desenvolvimento.

De olho em quem compra

Ao contrário dos seus concorrentes de maior porte, que operam com compra e venda de imóveis, o mote da imobles é acompanhar os compradores durante toda a sua jornada, desde a pesquisa inicial, com orientações básicas sobre como ocorre a aquisição, passando pelo planejamento da compra, estudo de opções disponíveis, até a decisão e fechamento do negócio. A ideia é se centrar na experiência de quem compra, não na velocidade ou rentabilidade da venda.

O conceito é conhecido como buyer’s agent (ou consultor de compras), e é muito difundido no mercado imobiliário americano. “No Brasil, o mercado imobiliário segue um modelo em que prevalecem os interesses de quem irá vender o imóvel. Queremos mudar isso com um atendimento de um profissional dedicado exclusivamente nas necessidades do comprador”, afirma Ronal Balena, um dos fundadores da imobles.

A companhia se remunera como uma imobiliária. A cada venda, ela ganha uma comissão de 5% do valor do imóvel. Com 1.500 clientes atendidos, o valor transacionado estimado para o ano é de R$ 150 milhões.  

Recentemente ela incorporou ao seu marketplace o financiamento imobiliário, em parceria com a plataforma UCI. Para aqueles que não conseguem aprovação do banco ou enfrentam problemas com a declaração do IR, podem contar também com os serviços das startups parceiras Ponte e Leoa.

Paulo Prado (à esq), Ronal Balena, Douglas Balena e Leonardo Lopes, fundadores da imobles

De Goiânia para o Brasil

Fundada em 2019, a startup se divide entre Florianópolis, onde fica sua base tecnológica, e Goiânia, onde atua de fato. “Escolhemos Goiânia pelo seu mercado imobiliário profissional e replicável, que opera nos mesmos moldes das grandes metrópoles, servindo como base para replicarmos posteriormente nosso modelo por todo o país”, conta Ronal.

Segundo ele, os 5 novos mercados ainda não estão definidos, mas é certo que serão cidades do porte de Goiânia. Campinas, Belo Horizonte e Porto Alegre estão no radar. Serão 2 novas praças em 2022 e 3 em 2023.

ANÁLISES

Veja todas as análises