fbpx

Indicator Capital vai gerir fundo de Internet das Coisas com recursos do BNDES e da Qualcomm Ventures

indicator capital
Compartilhe

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Qualcomm Ventures, braço de investimento da Qualcomm Incorporated, selecionaram a Indicator Capital (Iugu, IOUU, Arvore, Social Miner, entre outras) como gestora de fundo de investimento em startups que desenvolvam produtos e serviços de Internet das Coisas (IoT) e fomentar o setor no país.

O veículo anunciado em dezembro do ano passado tem expectativa de levantar pelo menos R$ 160 milhões para aplicar em empresas em estágio inicial de desenvolvimento. O BNDES e a Qualcomm Ventures vão aportar R$ 80 milhões do total – sendo R$ 40 milhões cada. A Indicator ficará responsável por captar os R$ 80 milhões restantes.

O fundo de IoT terá 10 anos de duração e espera-se investir em, pelo menos, 14 empresas. Os aportes por empresa vão variar entre US$ 1 milhão e US$ 3 milhões.

A política de investimentos vai contemplar companhias que desenvolvam aplicações de hardware, software e análise de dados voltadas prioritariamente para aplicações em áreas como manufatura avançada, cidades inteligentes, saúde e agricultura. Os segmentos foram definidos como prioritários pelo estudo “Internet das Coisas: Um plano de ação para o Brasil”, realizado em 2018 por um consórcio liderado pela consultora McKinsey, e patrocinado pelo BNDES e pelo MCTI. O estudo serviu para embasar o Plano Nacional de Internet das Coisas, lançado em junho de 2019.

O fundo de IoT está alinhado a essa política e à nova regulamentação da Lei de Informática, que permite que os fabricantes de eletrônicos apliquem recursos em fundos de venture capital como contrapartida a incentivo fiscal.

O impacto econômico global da massificação das tecnologias loT é estimado em até US$ 11 trilhões, superando os efeitos de outras tecnologias como a robótica avançada, computação em nuvem e mesmo a Internet móvel. No Brasil, é estimado que a Internet das Coisas poderá ter impacto positivo na economia de cerca de US$ 200 bilhões até 2025.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões