fbpx
Compartilhe

Não é de hoje que as pessoas tentam fazer exercícios em casa. A atriz Jane Fonda ganhou um bom dinheiro nos anos 1980 vendendo suas fitas de aeróbica e muita gente ainda tem encostado em algum canto, um equipamento comprado pelo 1406 que prometia deixar em forma com pouco esforço.

Com a pandemia e as medidas de isolamento social, o assunto ganhou novo fôlego com academias, profissionais e pessoas tendo que se adaptar às pressas ao novo cenário – sem muito sucesso, na verdade. Já tentou fazer uma aula pelo YouTube?

Nesse contexto, Mike Telem, Naomi Kerem e Mor Amitai anteciparam o lançamento do personal trainer baseado em inteligência artificial que vinha desenvolvendo desde meados do ano passado na Kemtai. No teste que durou de março a maio, a companhia israelense conseguiu 10 mil usuários em 20 países. “O fato de ser apenas um software ajuda a crescer rápido”, diz Telem em entrevista ao Startups.

Diferentemente de outras opções de treino em casa que têm chamado a atenção como a Peloton e a Mirror, usar a Kemtai não exige a compra de equipamentos específicos. Basta ter um computador com câmera. Não é preciso nem baixar nenhum programa específico. Tudo é acessado pelo navegador. “Seria mais fácil criar um aplicativo próprio, mas isso seria uma barreira de uso e a ideia é tirar qualquer fricção”, diz. De acordo com ele os aplicativos para dispositivos móveis estão em desenvolvimento.

A aposta da Kemtai é usar inteligência artificial – mais especificamente a visão computacional – para “enxergar” os movimentos de quem está praticando o exercício e fazer correções, dar feedback em tempo real. “Mantenha a coluna ereta”, “abra mais a perna”, são algumas das mensagens que podem ser apresentadas. Cada repetição de um exercício ainda recebe uma nota, o que permite acompanhar o progresso.

Atualmente, são 50 tipos de treinos disponíveis, com opções criadas pela própria Kemtai e também por profissionais do mercado. A proposta, segundo Telem é criar um marketplace em que professores e academias poderão oferecer seus treinos.

O plano custa US$ 19 para pagamento avulso mensal ou US$ 8 no plano anual – cerca de R$ 48, ou metade do valor mensal de uma SmartFit.

Planos para o Brasil

O Brasil é um dos três primeiros mercados onde a companhia está estabelecendo presença (junto com Japão e Cingapura. A representação local foi estruturada com investimento de Luiz Carlos Pimentel (ex-CEO da rede de academias JustFit), Fernando Figueiredo (fundador da agência Bullet) e Renato Tumang (ex-diretor financeiro da Conductor).

“Várias pessoas me perguntam por que o Brasil, dizem que precisa ir primeiro para os EUA e depois para a Europa. Mas o Brasil tem um mercado de fitness importante e a América do Sul é uma região muito grande”, diz Telem.

Ao Startups, Pimentel diz que a Kemtai vem como uma oportunidade para que os professores gerem renda extra, mas também como uma opção para que as academias se tornem adotem o conceito que se tornou moda no varejo, o omnichannel – vulgo atendimento por diferentes canais. A rede BH Fitness, da capital mineira, é uma das primeiras a adotar a proposta, como uma área específica par seus alunos dentro da Kemtai.

Outra forma com a companhia pretende atuar, diz Pimentel, é vendendo diretamente para empresas. Segundo ele, algumas já estão testando o conceito com a proposta de promover desafios entre os funcionários. “Eles já fizeram isso com corridas de rua no passado. Agora querem repetir com o Kemtai”, diz.

Telem não revela quanto foi investido na companhia até agora. Em maio ela levantou quase US$ 312 mil por meio da OurCrowd, uma plataforma de equity crowdfunding de Israel. “Não é a primeira empresa de nenhum dos fundadores. Estamos avançando rápido por conta dessas experiências”, diz ele, que tem em seu currículo a venda de sua empresa de tecnologia para marketing digital Insightera para a Marketo por US$ 20 milhões em 2013.

Segundo Telem, nas próximas semanas a companhia pretende lançar uma nova versão do serviço e investir mais em marketing para ampliar sua base de usuários. A ideia é levantar uma nova rodada de investimento para financiar esse processo.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões