fbpx
Compartilhe

Apenas 5 meses depois de estrear no Brasil, a Lentesplus dá o próximo passo para se tornar o principal player de saúde visual na América Latina. A startup colombiana especializada em lentes de contato anunciou, com exclusividade para o Startups, a chegada do empresário canadense Roger Hardy como mentor e investidor na companhia.

O executivo tem ampla experiência no setor e é veterano no negócio de saúde visual. No início de 2000, Roger fundou a startup Clearly and Coastal, uma loja online inicialmente focada em lentes de contato, mas que ampliou o catálogo com coleções de óculos de sol e grau. A companhia cresceu rapidamente: em 1 ano, fez US$ 1 milhão em receita e, em 10, atingiu a marca de 1 milhão de pares de óculos vendidos. Após o IPO na Nasdaq, em 2009, a empresa foi adquirida pelo grupo francês EssilorLuxottica, marca global especializada no segmento, por cerca de US$ 450 milhões.

O executivo voltou a empreender em 2019, quando criou a Kits. O marketplace também começou com a venda de lentes de contato e, depois, avançou para óculos próprios e de marcas terceiras. No ano passado, a startup concluiu seu IPO de US$ 55 milhões na Toronto Stock Exchange.

“Roger é uma pessoa muito reconhecida na indústria global e tem muita expertise de mercado”, afirma  o cofundador da Lentesplus, Jaime Oriol, em entrevista para o Startups. “Ele liderou o crescimento de 2 startups multibilionárias com muito sucesso, expandindo a operação e, principalmente, ampliando o portfólio”, completa.

Esse é exatamente o próximo passo da Lentesplus, cujo foco para 2022 é entrar no mercado de óculos e serviços ópticos. Segundo Jaime, a startup já está rodando o MVP (Produto Mínimo Viável) em alguns países latinos, incluindo o Brasil, e a categoria tem crescido 4 vezes mês a mês. A companhia atualmente vende óculos de outras marcas, mas está desenvolvendo sua própria coleção, a ser lançada ainda no primeiro semestre. 

“Nossa visão para os próximos 5 anos é ser a maior empresa de saúde visual omnichannel da América Latina”, diz o executivo. O primeiro passo dessa estratégia foi se consolidar nos países de língua espanhola, como Chile, México, Colômbia e Argentina. Para entrar no mercado brasileiro, a startup adquiriu um player nacional – a Newlentes – graças a um aporte de R$ 46 milhões concluído em dezembro. A rodada foi liderado pelo fundo mexicano IGNIA, com participação de DG Ventures (Japão), Empire Group (Hong Kong), Fen Ventures (Chile), Palm Drive (Nova York).

O empresário canadense entra na empresa como investidor, mas os números do aporte não foram revelados. “O principal é ter Roger como mentor para nos ajudar a fazer a transição de lentes para óculos”, explica Oriol. A parceria, pontua o empreendedor, permitirá uma troca de experiências dos dois lados. “Ele tem a expertise do mercado norte-americano, e nós do latino. É uma oportunidade para todos ampliarem seus conhecimentos.”

Em comunicado, o empresário canadense afirmou que a América Latina “é um mercado explosivo em grande mudança secular na categoria óptica”. “Estou entusiasmado por me juntar à equipe Lentesplus e acredito que minha experiência, [junto com] a força de expansão [dos cofundadores] Jaime e Diego [Mariño] contribuirão para a democratização da saúde ocular e o crescimento acelerado da empresa”, complemeta.

Sem dar detalhes, Jaime afirma não descartar algum tipo de parceria com a Kits. “Estamos vendo as possibilidades, mas não vai acontecer agora. Estamos focados no assessoramento estratégico”, pontua.

Os negócios no Brasil

A Lentesplus já concluiu a integração com a Newlentes. Jaime, por sinal, está morando em São Paulo, onde fica o escritório da companhia. “Nosso crescimento mais forte está vindo do Brasil, com uma expansão de até 80% ano contra ano”, diz o executivo.

Para o cofundador, a aquisição tem peça-chave nesse avanço, pois permitiu que a Lentesplus entrasse no mercado com um parceiro que já conhecia as dores e características locais. “Hoje, vemos que o Brasil é o mercado com maior potencial na América Latina”, explica. Segundo Jaime, o foco do negócio ainda está na região, sem planos estruturados para entrar em outros continentes.

Na época do aporte, o empreendedor já tinha adiantado para o Startups a intenção de entrar na parte de lentes e armações para óculos, com uma pegada omnichannel. “Diferente das lentes de contato, os óculos pedem uma experiência física, de tocar na armação e colocá-la no rosto”, comentou Jaime.

Por esse motivo, em 2022 a startup pretende abrir de 40 a 50 óticas próprias em todos os países onde atua – e boa parte das unidades físicas será no Brasil. Para os próximos 4 anos, a projeção da empresa é chegar a um total de 500 óticas nos países em que atua. Os avanços serão impulsionados por uma nova rodada de investimentos, que será concluída ainda em 2022. Segundo Jaime, a Lentesplus já está contato com os investidores e avançará nas negociações nos próximos meses.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões