fbpx
Compartilhe

A empresa de serviços de tecnologia CI&T chegou a Wall Street. Na listagem, que aconteceu ontem, a companhia com sede em Campinas (SP) levantou US$ 195 milhões ao vender cerca de 13 milhões de ações (sendo 1,93 milhões de atuais acionistas). Assim como o Nubank e a VTEX, a companhia escolheu a NYSE como sua casa.

Na véspera da operação precisou reduzir o preço e a quantidade de ações ofertadas por conta das incertezas dos investidores com relação ao atual cenário do Brasil. Inicialmente, a faixa proposta aos investidores era de US$ 17 a US$ 19, podendo render US$ 350 milhões, sem contar os lotes extras. No entanto, os valores foram reajustados para o intervalo de US$ 15 a US$ 17. Na noite de terça-feira (9), a companhia fixou o preço de sua ação a US$ 15. Com o novo patamar, a ação abriu o pregão cotada a US$ 17,85, um pop de quase 20%. O valor chegou a quase US$ 22 na primeira hora de negócios, mas recuou nos momentos seguintes, fechando o dia valendo US$ 17,55.

“Queríamos montar um grupo de investidores corretos, que conhecem o setor e possuem uma visão de crescimento de longo prazo. Para isso, ajustamos a estrutura do deal”, explica Cesar Gon, cofundador e diretor-executivo da CI&T. “Conseguimos um portfólio de nomes renomados, que é algo muito significativo para a empresa. Essa era a prioridade, e estamos absolutamente satisfeitos com o que conseguimos”, completa. 

O IPO foi coordenado por Goldman Sachs, J.P. Morgan, Citigroup, Morgan Stanley, Itaú BBA, Bank of America e Bradesco BBI. A oferta consistiu em 11.111.111 ações ordinárias Classe A, oferecidas pela CI&T, e 1.932.367 ações ordinárias Classe A oferecidas por acionistas. Há, ainda, a possibilidade de um lote extra de mais de 1,9 milhão de ações, adquiridas pelos underwriters.

Segundo Cesar, o grande atrativo da CI&T para os investidores está na geração de valor. “Temos uma liderança sólida, pois os fundadores da empresa ainda fazem parte do dia a dia, o que traz solidez ao negócio”, diz. Cesar detém cerca de 19,5%, acompanhado pelos outros cofundadores, Fernando Matt (19%) e Bruno Guicardi (12,8%). A companhia também é controlada pelo fundo de investimentos Advent, que detém 41% do capital, e os outros 7,7% estão divididos entre outras pessoas físicas.

O empreendedor destaca também o crescimento contínuo da companhia, impulsionado por uma série de fusões e aquisições. Em 2017, a empresa comprou a agência digital Comrad, situada na Califórnia. Em junho de 2021, foi a vez da Dextra, especializada no desenvolvimento de software e criação de produtos digitais end-to-end. No ano passado, ela faturou algo próximo de R$ 200 milhões.

O movimento faz parte do plano de crescimento de M&As da CI&T, a fim de ampliar suas soluções, talentos e presença no mercado global. E é justamente essa estratégia que receberá os ganhos com o IPO. “Com os recursos captados pelo IPO, nosso principal foco é adquirir boas e sólidas empresas, que nos permitirão ter mais acesso aos mercados da Europa e dos Estados Unidos”, afirma Cesar. A prioridade será para companhias que tenham clientes consolidados, algum nível de internacionalização e um modelo de atuação compatível com o da CI&T.

Para o empreendedor, a oferta de ações na Bolsa de Nova York fortalece essa estratégia. “Estamos operando em um mercado global. Os investidores norte-americanos estão familiarizados com o setor. Os Estados Unidos têm os maiores investidores e, principalmente, investidores de longo prazo, que realmente conhecem a indústria das tecnologias digitais.”

Hoje, os EUA são o principal mercado da CI&T, que iniciou sua expansão internacional em 2005. A companhia também tem presença em outros 7 países – Brasil, Reino Unido, Portugal, Japão, China, Austrália e Canadá – e atende clientes como Google, HP, Coca-Cola, Nestlé e Johnson & Johnson.

A CI&T teve uma receita líquida de R$ 956,52 milhões no ano passado, avanço de 41,3% ante o ano anterior. Também gerou um lucro líquido de R$ 127,65 milhões, que representa um aumento de 125,7% em relação a 2019. A empresa brasileira pode valer pouco mais de US$ 2 bilhões na oferta, que deve ser concluída na sexta-feira (12).

ANÁLISES

Veja todas as análises