fbpx
Compartilhe

Menos de 6 meses depois de alcançar o status de unicórnio, o aplicativo de social commerce Facily fez um pesado enxugamento em sua equipe.

O Startups apurou que a redução passa de 30%, ou mais de 260 pessoas do total de 860 funcionários. Em uma lista que está circulando desde ontem, são 85 nomes só na área de tecnologia, que foi a que mais sofreu baixas. Na lista estão engenheiros de dados, de software, UX writers, analistas de BI entre outros. Fontes contaram que haveria planos para ainda mais demissões.

Procurada, a Facily disse, por meio de nota, que não comenta sobre processos internos “para preservar as nossas pessoas”, e que temas como esse são tratados “de forma sigilosa e respeitosa”.

“A Facily busca constante evolução e eficiência para melhorar a experiência de todos que fazem parte e interagem com a empresa. Mudanças, inclusive em times, são necessárias para isso. Sempre vamos priorizar o que de fato faz a diferença no impulsionamento do nosso negócio”, disse a companhia.

Quando anunciou a conclusão de sua série D em dezembro/21, a Facily disse que tinha planos de ampliar sua atuação no mercado brasileiro e também de levar sua operação para o México e para a Colômbia. Em conversa com o Startups em março/22, o fundador da companhia, Diego Dzodan, contou que ela estava se preparando para entrar em serviços financeiros.

Cenário conturbado

O corte na Facily é o mais recente dentre as companhias de alto crescimento que estão tendo que rever suas projeções e velocidade de crescimento diante do cenário econômico global conturbado. Com tantas incertezas, a disponibilidade de recursos para investimento está mais restrita, principalmente para negócios em estágios mais avançados de desenvolvimento e que apresentam alto consumo de caixa.

No 1º trimestre, os investimentos em venture capital no Brasil tiveram um crescimento de apenas 4% em termos de valores em dólares, segundo o Distrito. De acordo com a ABVCAP, em reais, houve um recuo de 27%. Globalmente, o recuo foi de 13%, segundo o Crunchbase.

Em fevereiro o Startups revelou que a Liv Up tinha cortado 15% de seu quadro de funcionários, o equivalente a mais de 100 pessoas. Na última semana, o Estadão mostrou que QuintoAndar e Loft também reduziram seus quadros.

Em matéria publicada nesta semana, o The Information contabilizou mais de 2000 demissões só no último mês entre companhias de tech no Vale do Silício. A expectativa é que mais ajustes aconteçam ao longo das próximas semanas.    

OPINIÃO

Veja todas as opiniões