fbpx

Mosaico compra Vigia de Preço por R$ 7,5 mi e lança plataforma de cashback em parceria com o BTG

Compartilhe

Mais um dia. Mais uma aquisição. Mais uma companhia entrando no parquinho da outra. O mercado de cashback ganhou hoje um novo player para concorrer diretamente com os populares Méliuz e Ame Digital: a Mosaico, dona das marcas BuscapéZoom e Bondfaro. Sua nova plataforma de retorno de dinheiro de compras tem como parceiro financeiro o BTG Pactual, responsável pela operação da carteira virtual do serviço.

A novidade será potencializada pela extensão de browser Vigia de Preço, primeira aquisição da Mosaico após sua abertura de capital em fevereiro. A empresa desembolsou R$ 7,5 milhões pelos ativos do Vigia de Preço, que será convertido em uma das marcas da Mosaico.

O investimento não faz nem cócegas no bolso da companhia. No ano passado, seus sites e aplicativos geraram R$ 4,2 bilhões em volume de vendas (GMV) para mais de 500 lojas parceiras e tiveram mais de 960 milhões de visitas.

“Com o Vigia de Preço passamos a acompanhar o usuário fora das nossas plataformas e, com o cashback, após a efetivação da compra. Ao mesmo tempo, o cashback amplia o mercado endereçável da companhia”, disse Thiago Flores, presidente da Mosaico, em comunicado.

A combinação do cashback e a extensão do navegador Chrome também permitirá à companhia entrar em categorias de produtos nas quais seus sites não operam, como moda e saúde, e beleza.

A plataforma de retorno de dinheiro, desenvolvida internamente em 4 meses, será gradualmente implementada aos 23 milhões de consumidores com conta na Mosaico, começando pelos usuários do Zoom. O benefício já está disponível em cerca de 400 lojas parceiras.

O acordo com o BTG, que comprou no início do mês a Fator Corretora, também prevê o oferecimento de novos serviços financeiros da Mosaico, que devem ser lançados a partir do segundo semestre. A relação com o BTG não é à toa. O banco foi o coordenador-lider do IPO e foi um dos principais destinos dos recursos captados na oferta já que foi ele que financiou a compra do Buscapé em 2019 por meio de uma operação de venture debt.

 

OPINIÃO

Veja todas as opiniões