fbpx

Next é banco e o Bitz não é banco, por isso fazer as duas coisas separadas, diz Curt Zimmerman

Bitz
Compartilhe

Cada um na sua – mas com um grande investidor em comum. Esse talvez seja um bom resumo para a estratégia do Bradesco com o banco digital Next e a carteira digital Bitz, lançada nesta semana. A ideia é deixar cada um focado em seus próprios objetivos.

“A legislação é diferente para os negócios, são outras regras e outros competidores. Para ter agilidade, é preciso fazer fora e com foco. Assim é possível garantir a agilidade e a flexibilidade que se precisa”, diz ao Startups, Curt Zimmerman, presidente da Bitz Serviços Financeiros, empresa responsável pela carteira. Fisicamente, a companhia está instalado no InovaBra Habitat, o hub de inovação do Bradesco instalado na região central de São Paulo.

A visão para o novo negócio representa uma mudança de percepção em curso dentro do banco. Há três anos, quando lançou sua marca digital, o Next, voltado ao público jovem, o Bradesco optou por uma relação mais íntima – com o Next usando o CNPJ do banco e ocupando um espaço em sua sede na Cidade de Deus, em Osasco – para aproveitar sinergias.

No fim do ano passado o Bradesco tomou a decisão de tornar o Next independente dentro de uma estratégia de extrair valor de suas diferentes iniciativas.

Com o Bitz, aliás, o plano é se alavancar no “mundo Bradesco” para se diferenciar das outras 600+ carteiras digitais em operação no Brasil no momento (oi PicPay, Ame Digital, Mercado Pago, Rappi Pay, Mercado Pago e etc etc etc). A carteira já pode receber, por exemplo, cartões alimentação e refeição da Alelo, que pertence à Elo Participações – joint venture do Bradesco com o Banco do Brasil. Ela também oferece crédito da Losango, financeira do grupo. “[E] tem um pipeline de parceiros relevantes para colocar nos próximos meses”, segundo Zimmerman, sem dar detalhes se tratam de ofertas do grupo ou de terceiros.

Na estratégia de crescimento, o Bitz planeja fazer aquisições. A expectativa é anunciar dois negócios em breve. Os valores da compras serão adicionados aos R$ 100 milhões que a companhia pretende investir em seu primeiro ano de operação.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões