fbpx
Compartilhe

Pelo jeito, a Omie não quer saber de mercado em recessão. Em franco movimento de expansão (e de compras), a companhia firmou uma nova aquisição, trazendo ofertas de crédito para sua plataforma de gestão, e acelerando com o foco de chegar a 1 milhão de clientes até 2025.

A empresa comprada foi a Ergoncredit, player que atua em crédito para PMEs – a Omie adquiriu 100% da companhia, por um valor não divulgado. O negócio foi fechado no início do ano, mas foi divulgado apenas agora por um motivo: nos primeiros meses do ano, as duas empresas se concentraram na integração da esteira de crédito da adquirida dentro da plataforma Omie.

Com o novo recurso, a plataforma da empresa-mãe tem a capacidade de avaliar a fornecer crédito em tempo real para cada CNPJ e cada recebível que transite pelo sistema. Segundo o confundador e CEO da Omie, Marcelo Lombardo, o plano com as novas funcionalidades é o de democratizar e facilitar o acesso a crédito.

“Sabemos que grandes empresas, como a Petrobrás, possuem um portal onde seus fornecedores acompanham as suas ordens de pagamento, podendo, inclusive, antecipar recebíveis, e pensamos que essa ideia poderia ajudar empresas de todos os portes”, explica o executivo em nota.

Marcelo Lombardo, CEO da Omie. Foto: Juliana Frug/divulgação

Além disso, a empresa quer fazer mais, indo além dos fornecedores e atendendo também aos clientes. “Imagine ofertar crédito para seus clientes comprarem de você, sem requerer nenhum esforço adicional. Isso pode ser uma grande alavanca para o crescimento dos pequenos e médios negócios”, completa o CEO.

Crescimento da base

A nova funcionalidade faz parte de um novo portal lançado pela marca – o Portal Omie, que além da solução de crédito, deverá incluir outras features como compra, venda, ordens de produção e conciliação fiscal.

Já nos testes iniciais da oferta de crédito, a Omie percebeu que muitos dos clientes e fornecedores de seus usuários que tiveram contato com o portal também se interessaram em oferecer a mesma vantagem a seus próprios clientes, trazendo mais usuários para a plataforma. “Esse é o desejado efeito de rede, que pode aumentar ainda mais a nossa velocidade de crescimento”, comenta o CEO.

Atualmente a Omie conta com 100 mil clientes em sua base ativa, e com o modelo mais amplo de oferta de crédito, a meta é expandir rápido. Aos poucos, os novos recursos estão sendo disponibilizados aos clientes, uma medida para reforçar a validação e escalabilidade da plataforma.

Para o fundador da Ergoncredit, Rogério Bimbi, a entrada na plataforma da Omie traz algo inédito, utilizando informações do sistema de gestão como instrumento para facilitar a o acesso a crédito. “Todos no mercado percebem facilmente o valor dos dados contidos no ERP para fazer concessão de crédito, mas na prática ninguém sabe como fazer isso”, relata Rogério, que agora faz parte do time da Omie, em nota.

Máquina de M&A

No mercado desde 2013, a Omie já levantou mais de R$ 690 milhões em investimentos em sua trajetória. Porém, no último ano, o ritmo de aportes – e de aquisições – ficou mais intenso. Em agosto do ano passado, a companhia fisgou R$ 580 milhões com o SoftBank em uma rodada C. Dois meses depois, a companhia estendeu a rodada, com um aporte não revelado saindo do bolso da chinesa Tencent.

Com o caixa recheado, a empresa continuou a rodar sua máquina de M&A, que tinha começado em novembro de 2020 com a compra da Mintegra, plataforma que integra marketplaces a ERPs, seguiu com a aquisição da Devi, de soluções para PDV, e da G-Click, voltada a recursos contábeis.

Depois do cheque então, veio a maior compra: em novembro pagou R$ 120 milhões em dinheiro pelo banco digital Linker e em fevereiro deste ano foi a vez da catarinense Compass, desenvolvedora de soluções de customer experience, num negócio de valor não divulgado. A Ergoncredit é a mais recente a ser divulgada.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões