fbpx

Para Abstartups, caso do patrocínio do CASE pela ABDI “foi devidamente encerrado” em acordo com a agência

Compartilhe

A polêmica sobre o patrocínio da ABDI ao CASE de 2018 é um caso encerrado, segundo a Abstartups.

Em carta enviada aos associados na sexta-feira (22/01) a atual diretoria da associação diz que o assunto foi devidamente encerrado por um acordo celebrado entre as instituições em 07/01/2020”. “Importante frisar que o acordo firmado resultou em retorno da total quantia investida pela ABDI, inexistindo quaisquer (i) pendências financeiras entre Abstartups e ABDI, bem como (ii) ônus aos cofres públicos”, diz o texto.

O material diz ainda que todo que aconteceu foi comunicado aos associados em Assembleia Geral Ordinária realizada em 27/04/2020, quando as contas da Abstartups foram apresentadas e aprovadas integralmente pelos presentes.

“Importante esclarecer que os fatos trazidos a público são decorrentes de relação mantida, exclusivamente, entre Abstartups e ABDI, não tendo ocorrido o envolvimento de quaisquer mantenedores, conselheiros e/ou empresas”, escreveu a associação. O documento é assinado por Felipe Matos, presidente da Abstartups, Ingrid Barth, vice-presidente, e Cristiano Freitas, diretor financeiro.

Na carta, a Abstartups ainda elencou quatro medidas que já foram realizadas ou que estão em fase de desenvolvimento depois da divulgação do texto do ex-presidente da ABDI, Guto Ferreira, expondo os problemas detectados na prestação de contas relativa ao patrocínio da edição de 2018 do CASE.

Dentro do que já foi feito, está a contratação de uma auditoria da Grant Thornton para apurar os acontecimentos e identificar e corrigir falhas nos processos da associação e a criação de um canal de transparência no site para publicação periódica de ações e providências adotadas “para melhoria de práticas de gestão e compliance”. Entre os documentos já publicados estão a carta enviada na sexta-feira, o comunicado à imprensa enviado no dia 6/01 e a ata da Assembleia Geral de 04/2020.

No que está em fase de desenvolvimento, está a contratação de uma auditoria contábil, fiscal e financeira para os próximos dois anos (prazo do mandato da atual diretoria). A proposta é publicar os resultados aos associados, mantenedores e demais interessados em assembleia geral. Outras medidas são a criação de um setor de compliance, com abertura de vaga para contratação de um profissional responsável e a implementação de um novo Código de Ética e Conduta. O texto não fala de prazo para que essas medidas sejam finalizadas.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões