fbpx
Compartilhe

Um ano depois de chegar no Brasil, a mexicana Casai está enxugando as operações. Enquanto realiza cortes na sua força de trabalho, a plataforma de hospedagem de curta temporada está negociando uma fusão com a Nomah (ex-Uotel), startup de locação flexível de apartamentos de luxo que faz parte do ecossistema Loft desde 2020.

Os planos da Casai parecem ter mudado bastante em pouco tempo. Nos últimos meses, a startup reforçava os planos de expansão com a aquisição da Roomin, no fim do ano passado, e da Loopkey, em abril/22. Em junho, o discurso ainda era de que a companhia se preparava para expandir a presença no Brasil, seu mercado mais representativo na América Latina.

Na época, o Startups conversou com o diretor geral da Casai no Brasil, Luiz Mazetto, sobre os próximos planos da companhia, que dizia ter uma taxa de ocupação em torno de 90%. A companhia afirmava que continuava analisando possíveis futuras aquisições, de olho em empresas que tivessem sinergias fortes com sua experiência e operação. Além disso, a Casai, que tinha 700 apartamentos sob gestão em São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis, projetava chegar a 2.500 unidades entre seu país natal e o Brasil, onde planejava entrar em mais uma cidade.

A Casai hoje

Segundo apurou a Bloomberg Línea, as negociações da fusão da Casai com a Nomah ainda não foram concluídas, mas devem ser finalizadas em breve. No acordo, a Loft venderia suas ações na Nomah para a Casai e investiria na nova empresa resultante da fusão.

Fundada por Nico Barawid e Maricarmen Salazar no México em 2019, a Casai já levantou mais de US$ 53 milhões desde sua fundação, de investidores como Monashees, Kaszek e Andreessen Horowitz – que também investe na Loft. Pessoas familiarizadas com o assunto disseram que a Casai pretendia fechar uma série B de US$ 70 milhões no fim de 2021 ou uma extensão da série A (US$ 23 milhões em equity e US$ 25 milhões em financiamento de divída) em abril. No entanto, as negociações não avançaram.

A falta de caixa levou a proptech a demitir pelo menos 60 funcionários no Brasil na semana passada – cerca de 30% do seu quadro de 200 colaboradores. Pelo menos 20 funcionários foram dispensados no México. Novas demissões podem acontecer nos próximos meses para reduzir as redundâncias do acordo com a Nomah. Com a fusão, o CEO da Nomah, Thomaz Guz, deixaria a empresa em 6 meses e o CEO da Casai, Nico Barawid, assumiria o comando da operação.

O Startups procurou a Casai para esclarecer as informações, mas a companhia não retornou a solicitação até o momento.

Pé no freio

A notícia das demissões da Casai chega em meio ao cenário turbulento no mundo das startups, resultado das altas taxas de juros, inflação e crescente incertezas políticas. No Brasil, a proptech se junta a nomes como Loft, Ebanx, VTEX, Alice, Quanto e Facily, que somadas demitiram cerca de 1.300 pessoas nos últimos meses para cortar os custos.

A situação da Sonder, versão norte-americana da Casai, teria acendido a luz amarela para os investidores da proptech brasileira. Em junho, a Sonder cortou mais de 20% da sua força de trabalho motivada pela queda no desempenho e o ambiente macroeconômico. Segundo a Bloomberg Línea, depois que isso aconteceu os fundos de venture capital e os family offices que são donos dos imóveis da Casai decidiram segurar o freio e pausar a extensão da série A.

A reportagem menciona que uma alegada má gestão financeira teria levado ao esgotamento dos recursos. Funcionários mexicanos afetados pelos cortes não estariam recebendo as indenizações estabelecidas pela lei local.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões