fbpx
Compartilhe

Depois de lançar empreendimentos em São Paulo, Rio e Fortaleza, a startup de locação flexível de apartamentos de luxo Nomah (ex-Uotel) avança sua estratégia de escala nacional. Com exclusividade ao Startups, a proptech, que faz parte do ecossistema Loft desde 2020, anunciou sua expansão para o Nordeste do país por meio de uma parceria com a HAUT, incorporadora e construtora pernambucana que atua no mercado imobiliário de alto padrão.

Fundada em 2017, a Nomah ajuda os investidores imobiliários a potencializarem a rentabilidade dos ativos residenciais, cuidando desde a pagadoria de contas e manutenção dos apartamentos até a gestão de todas as locações flexíveis. Para os locatários, a startup trabalha com estadias short e long stay em imóveis de 20m² a 100m². A companhia  possui 1.500 unidades assinadas (deve chegar a 2.500 até o fim do ano) e 600 em operação pelo país.

Com o acordo, a proptech vai gerenciar as unidades da linha Co-HAUT com foco em edifícios que mesclam usos residenciais e comerciais. A inauguração será com as entregas do CO-HAUT 001 e CO-HAUT 003, previstas para 2023 em Recife (PE). A parceria envolve ainda outros empreendimentos na capital pernambucana e em Fortaleza, totalizando cerca de 500 unidades.

A Nomah deve enfrentar a competição de players locais como a Yolo, startup pernambucana que se aliou ao grupo imobiliário pernambucano Cornélio Brennand e outros nomes de peso do ecossistema de inovação para criar um empreendimento de co-living com uso intensivo de tecnologia, na região do Porto Digital. A proptech pretende entregar suas primeiras unidades em 2024.

Por trás da parceria

“O comportamento do consumidor no Nordeste é diferente do do Sudeste. São Paulo, onde temos a nossa maior atuação, o perfil é muito business. No Recife, a gente consegue valorizar os viajantes de lazer”, afirma o diretor da Nomah, Thomaz Guz.

A expansão traz uma vantagem em relação à sazonalidade. Segundo Thomaz, os negócios de SP ficam mais parados em dezembro e janeiro, já que muitas pessoas viajam para outras regiões – e muitas escolhem o Nordeste como destino. Ter atuações por lá aumentará o potencial da Nomah em termos de compensação da demanda e conquista de novos clientes.

As conversas com a HAUT começaram há cerca de 6 meses. “Prezamos muito pela praticidade na administração dos ativos, pensando no investidor, e a HAUT constrói muito bem o ativo físico – o hardware – linkado com design e inovação. Já a Nomah traz a tecnologia que vai conectar esse ativo imobiliário ao consumidor final, tornando os empreendimentos e as inovações mais acessíveis ao consumidor final”, pontua Thomaz.

A incorporadora foi criada no Recife no mesmo ano que a proptech. Com uma área interna dedicada à inovação de projetos, o HAUT Lab, a companhia conta com 11 empreendimentos entregues ou em desenvolvimento. “Estamos muito confiantes sobre o nosso hardware, mas faltava um software que gerisse tudo com eficiência, precisão e assertividade”, afirma Thiago Monteiro, sócio-fundador e diretor da HAUT

“Enxergamos a Nomah como nossa parceria mais adequada, pois além de muita tecnologia eles entregam um alto nível de experiênica do usuário, similar ao encontrado na hotelaria de luxo”, completa o executivo. Para os clientes, a união entre as empresas promete oferecer aos investidores imobiliários mais praticidade, precisão e transparência na administração de seus ativos. Em um 2º momento, as companhias visam a criação de uma linha exclusiva de gestão de apartamentos de luxo.

As estratégias da Nomah

Expandir através de parcerias com outras empresas tem se tornado uma estratégia cada vez mais comum no ecossistema Loft. Recentemente, a CrediHome, de crédito imobiliário, uniu-se com a Boston Scientific para entrar no segmento de saúde e fazer o financiamento dos tratamentos na modalidade home equity – empréstimo com imóvel de garantia.

“Apesar de sermos parte do mesmo grupo, a Nomah opera de forma bastante autônoma, inclusive no nosso caminho de expansão”, explica Thomaz. O diretor explica que maiores ganhos da união com a Loft estão no na conexão com as startups do grupo. “São muitos empreendedores com diferentes visões e aprendizados. À medida que compartilhamos nossas experiências, encontramos outras formas de crescimento do negócio.”

No caso da Nomah, os caminhos de crescimento incluem a associação às principais incorporadoras do país. “Os contratos, assim como no caso da HAUT, determinam que os empreendimentos lançados pelas incorporadoras terão a proptech como operadora oficial e os clientes passam a ter nosso software”, pontua.

A 2ª estratégia é com os investidores institucionais, como fundos e gestoras que também utilizam a Nomah. Uma delas é a Rio Bravo, gestora de investimentos independente com foco em fundos imobiliários, renda fixa, renda variável e multimercados. Segundo Thomaz, a companhia tem 2 ativos sob gestão da proptech.

Quando foi adquirira pela Loft, em julho de 2020, a Nomah ainda era Uotel, mas não demorou muito para passar por um rebranding. A nova marca estava relacionada à nova abordagem da companhia, direcionada a estadias de mais longo prazo, ao invés de focar apenas no short stay. Junto com o rebranding, a startup levantou R$ 50 milhões da Loft para investimentos ao longo dos próximos 3 anos.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões