fbpx
Compartilhe

Mais uma semana se inicia, com outra leva de notícias sobre demissões em massa. A mais recente startup a entrar no rol das empresas de alto crescimento a desligar funcionários como consequência da crise macroeconômica e a austeridade dos fundos de investimento é a Quanto, startup focada no segmento de Open Finance.

Segundo apurou o Startups, a fintech fundada por Ricardo Taveira demitiu 22% de sua força de trabalho. Os cortes atingiram as áreas de tecnologia, recursos humanos, comunicação, vendas e também o departamento jurídico. Com isso, a empresa passou de 128 para 100 funcionários. Em nota, a startup lamentou os desligamentos e atribuiu a decisão ao “cenário macroeconômico de extrema incerteza, que vem afetando duramente as empresas de tecnologia.”

“Tivemos que adaptar nossa estratégia e reestruturar nossas equipes. Como a redução foi causada por uma necessidade de negócio e não por desempenho individual, o processo ficou ainda mais difícil. Não gostaríamos de nos despedir de tantas pessoas talentosas e, por isso, trabalharemos para ajudá-las a se recolocar mais rapidamente”, disse a empresa.

Para apoiar os colaboradores demitidos, a Quanto está oferecendo um pacote de benefícios de saída, que inclui extensão da assistência médica, odontológica um mês a mais de vale refeição e consultoria especializada em transição de carreira.

Em operação desde 2020, a Quanto levantou uma série A de US$ 15 milhões naquele mesmo ano, em uma rodada liderada por Bradesco, Itaú Unibanco, Kaszek Ventures e Coatue.

As demissões na Quanto seguem uma onda de desligamentos que tem afetado não somente unicórnios, como a Facily, que demitiu mais pessoas na semana passada. Os cortes também tem impactado empresas que estavam caminhando para atingir um valuation bilionário, como a healthtech Alice, que também fez demissões recentemente.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões