fbpx
Compartilhe

Sinal verde para o Nubank! Após receber o aval do CADE no fim de 2020, o neobank conseguiu hoje aprovação do Banco Central para a compra da corretora digital Easynvest. Agora, ambas as empresas podem avançar na conclusão do negócio anunciado em setembro do ano passado. Enquanto o processo de transição se desenrola, as duas empresas continuam a operar de forma independente.

Com a incorporação da Easynvest, o Nubank soma à sua base de 35 milhões de clientes (que vem crescendo na faixa de 1 milhão por mês) mais de 1,5 milhão de novos nomes e R$ 26 bilhões de ativos que a corretora digital tinha sob custódia. Os investimentos estão no radar do Nubank há algum tempo e a companhia anunciou em abril o lançamento de três fundos multimercado próprios.

O movimento de ampliação do leque de ofertas – indo de produtos mais básicos como conta digital e cartão de débito para mais opções de investimentos em renda fixa e também no mercado de ações – é importante para que o banco daquilo roxo aumente seu potencial de geração de receita e, consequentemente, seu valor de mercado. Na rodada de série F anunciada em janeiro, o Nubank foi avaliado em US$ 25 bilhões e é possível que ele chegue a US$ 35 bilhões na oferta de ações que pode acontecer na Nasdaq no 2º semestre ou no começo de 2021.

Mercado animado

A compra da Easynvest pelo Nubank é mais um capítulo da recém-iniciada disputa pelos investimentos pessoais dos brasileiros. Já disse que o cenário de juros baixos tem feito as pessoas procurarem novas opções para fazer seu dinheiro render? Com sua própria corretora, o Nubank se torna mais um obstáculo para a Warren em seu plano de se tornar a maior corretora do país, desbancando a XP e o BTG. Este último, deve dificultar a mira da bala com a recente compra da Fator Corretora. Já a XP, está em um movimento de se posicionar como empresa de tecnologia – talvez para fazer frente à própria Nubank, que pode estrear na Nasdaq valendo mais do que ela. Façam suas apostas!

OPINIÃO

Veja todas as opiniões