fbpx
Compartilhe

Ter que acionar a seguradora para prestar assistência quando o carro dá problema nem sempre é algo simples. E isso vale tanto para quem chama quanto para quem fornece o serviço. Pensando em simplificar processos e ajudar seus clientes, a startup Delta Global resolveu aderir – literalmente – à “uberização” ao prestar seus serviços. A empresa está lançando o SOS Driver, uma plataforma em que motoristas de aplicativo podem prestar serviços leves quando um cliente faz o chamado junto à seguradora.

Com o novo produto, o plano da startup é construir uma base de motoristas parceiros, capazes de entregar de forma ágil serviços como trocas de pneu ou recarga de bateria – a famosa “chupeta”. Segundo o cofundador e CEO da Delta, Nicolas Galvão, a novidade chega para matar dois coelhos com uma caixa d’água (sic) só.

“Apoiamos os motoristas em um momento em que está mais difícil ter uma receita satisfatória somente com as corridas de aplicativo, e aumentamos a eficiência e malha de cobertura para serviços leves”, explica o CEO, explicando que a plataforma vai funcionar nos mesmo moldes de um app de carona.  Conforme o chamado, os motoristas mais próximos são identificados e notificados via app, podendo ou não aceitar o serviço. Caso haja a necessidade de levar um pneu estepe para o serviço, por exemplo, o prestador é conectado via plataforma com a rede de estabelecimentos cadastrados pela Delta.

O serviço iniciará este mês na cidade de São Paulo, com um grupo de 100 motoristas já cadastrados e capacitados. Além disso, eles recebem uma maleta de ferramentas especiais (com cabos, chaves e macaco hidráulico de alto desempenho) para dar mais qualidade ao trabalho realizado.

Na largada o projeto atenderá a clientes como a Sompo Seguros, mas o objetivo é aumentar o número de seguradoras atendidas e chegar até o final do ano perto dos 10 mil motoristas parceiros, incluindo a atuação em outras capitais brasileiras.

Ok, e quanto ao “din din”? De acordo com Nicolas, os condutores cadastrados poderão receber de R$ 60 (recarga de bateria) a R$ 80 (troca de pneu) por serviços que podem durar menos de uma hora. Segundo ele, dependendo do caso, pode ser até três vezes mais do que um motorista tira neste tempo. Além disso, o plano é pagar os motoristas em até quinze dias, sem o habitual desconto praticado pelas empresas de aplicativos.

Para Galvão, o uso desta força de trabalho também reduz custos operacionais da própria Delta. “Sai uns 30% mais barato”, explica o executivo, ao comparar o custo de um serviço do SOS Driver do que envolver uma equipe própria para prestar serviços leves.

Nicolas Galvão, cofundador e CEO da Delta Global

“A ideia é dar uma nova opção de receita para os motoristas e, ao mesmo tempo, aumentar a nossa rede de prestadores de serviço. A empresa manterá sua rede de guinchos e oficinas credenciadas, que ficarão a cargo de atendimentos mais complexos, como o de veículos pesados e extra-pesados. Essa adição será bastante positiva também para os clientes, pois o tempo de espera ficará ainda menor em caso de serviços mais simples”, adiciona Taisson Bagatini, coordenador de produtos de manutenção da Delta Global.

Na ponta do cliente

Fundada em Porto Alegre em 2015, pelos sócios Nicolas Galvão e Marzon Castilho, a Delta Global se firmou no mercado nacional como uma prestadora de serviços para seguradoras e transportadoras, que terceirizaram a parte mais na ponta do cliente: o suporte 24h para os chamados dos clientes.

“Era um mercado de poucas empresas, que eram absorvidas pelas grandes transportadoras, então vimos um nicho com grande potencial”, destaca Galvão. Além disso, a empresa investiu em tecnologia para apoiar e gerenciar seus serviços para frotas: antes do SOS Driver, a empresa lançou serviços como o Delta Fleet, de gestão de frotas e o DeltaSafe, que conecta as centrais dos veículos com softwares de análise para detectar necessidades de manutenção.

Hoje a Delta conta com 100 mil caminhões dentro de sua estrutura de administração – segundo o CEO, um número considerável, já que atualmente cerca de 2 milhões de caminhões circulam no país.

Quanto aos veículos leves, a startup presta serviços também  para seguradoras e locadoras, num total de 200 mil veículos atendidos – e que serão cobertos pelo SOS Driver. “A gente tá num mercado de assistência, num momento bem complexo em termos de custos. Isso faz com que muitos veículos deixem de fazer manutenção preventiva, aumentando o número de chamados”, explica Nicolas.

Foco também no B2C

Apesar de toda a demanda no B2B, o plano do SOS Driver para ampliar a cobertura de atendimento da Delta Global também mira o B2C. No primeiro trimestre deste ano a empresa lançou o Delta 24h, uma modalidade de assinatura recorrente para pessoas que não possuem seguro.

A meta da startup é chegar no final do ano com 10 mil clientes ativos nesta nova modalidade de serviço, atendendo uma parcela considerável da população. “Estimamos que hoje mais de 30 milhões de veículos rodam sem seguro no país”, destaca Nicolas.

Para acelerar com estas novidades, é necessário dinheiro no caixa – algo que a Delta já buscou no meio do ano passado. A Randon Ventures, braço de investimentos da tradicional empresa da serra gaúcha, investiu R$ 13 milhões na startup, maior valor aplicado pela divisão deste a sua criação em 2020.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões