fbpx

Junte-se agora e acesse (antes de todos) as principais notícias de tecnologia e startups. clique aqui

Startups levantam US$ 843 milhões em setembro em 37 rodadas – 2020 soma US$ 2,2bilhões investidos

Por Gustavo Brigatto, em 1 de outubro de 2020

0Shares

A startups brasileiras receberam US$ 843 milhões em 37 aportes realizados ao longo do mês de setembro, segundo o Inside Venture Capital Brasil, do Distrito Dataminer.

Foi o setembro mais movimentado da história, com crescimento de 65% em relação ao mesmo período de 2019, quando o montante aportado foi de US$ 510 milhões. Na comparação com 2018 a alta foi de surpreendentes 796%, quando as startups receberam US$ 94 milhões. O mês de setembro 2019 ainda ganha no número de rodadas: 43 contra 37.

Entre as principais rodadas realizadas ao longo do mês que acabou ontem estão os US$ 300 milhões levantados pelo Neon; os US$ 225 milhões da VTEX e os US$ 21,6 milhões da foodtech Fazenda do Futuro.

No acumulado dos 9 meses de 2020, o volume de aportes soma US$ 2,2 bilhões, distribuídos em 322 rodadas. “Se considerarmos apenas os três primeiros trimestres, 2020 fica atrás somente de 2019. Neste ano, os nove primeiros meses acumularam US$ 2,2 bilhões, contra US$ 2,3 bilhões de 2019. O mercado de venture capital no Brasil segue movimentado e líquido, mesmo diante da pandemia”, pontua Gustavo Gierun, cofundador do Distrito.

Considerando todas as 322 captações realizadas nos 9 meses do ano a maior parte está concentrada nos estágios early stages (Anjo, Pré-Seed e Seed): 245 no total. Em termos de volume investido, no entanto, a concentração está nos estágios late stage (Series A – G e Private Equity): mais de 90% do total (US$ 2,1 bilhões).

Fusões e Aquisições

No acumulado de 2020, 100 operações de fusão e aquisição de startups foram realizadas, o que reforça o ano de 2020 como o maior em número de movimentações deste tipo no mercado brasileiro. Só em setembro foram 21 delas. O volume acumulado no ano já é 58,7% superior a todo o ano de 2019, quando foram realizadas 63 aquisições.

“Este mercado já estava bastante aquecido e a pandemia acabou trazendo novas oportunidades. A inovação dentro de grandes empresas é um processo mais custoso e demorado. Ao adquirir startups, as corporações dão agilidade a este processo e saem na frente de suas concorrentes”, afirma Gierun.

Até agora, os setores de adtechs e fintechs foram os que mais atraíram interesse de grandes corporações em 2020. Cada um deles teve 15 startups adquiridas neste período.

Jornalista com mais de 10 anos cobrindo tecnologia e inovação no Valor Econômico. Fundador e editor do startups.com.br.