fbpx
Compartilhe

A GamerSafer, startup americana criada por brasileiros que garante segurança aos jogos online por meio de sua solução SaaS, levantou R$ 3,2 milhões com a conclusão de sua rodada pre-seed. Participaram do investimento a Indicator Capital, gestora brasileira de venture capital early-stage; Wayra Brasil, hub de inovação aberta da Vivo; TheVentureCity; Harvard Angels; GV Angels e; Kerpen Ventures.

A rodada foi aberta no fim de 2020 com o investimento anjo de R$ 1,5 milhão feito pelos grupos GVAngels e Harvard Angels. Antes disso, o casal de empreendedores Maria Oliveira e Rodrigo Tamellini, que fundaram a startup em 2019, colocou capital próprio no negócio por quase 2 anos. Não é que misturar amor e trabalho pode dar certo?

A solução criada pela startup faz a verificação e a autenticação dos jogadores por meio de visão computacional e inteligência artificial quando eles vão entrar no jogo. A identificação tem como objetivo coibir um problema grave do ambiente de jogos on-line, que são os comportamentos abusivos por parte dos usuários. A motivação para criar a companhia veio da tentativa de Maria e Rodrigo de criarem uma experiência de jogo mais segura e customizada para os próprios filhos.

Ao Startups, Rodrigo conta que o aporte vem para consolidar o fit de mercado da GamerSafer e, consequentemente, escalar o negócio. Parte será usada para aquisição e retenção de talentos e outra para melhorias na infraestrutura. Atualmente são 11 pessoas no time distribuídas na Califórnia, onde fica sediada, outras regiões dos EUA, Brasil e Europa.

“Sempre pensamos num modelo global e escalável. Adotamos o B2B e não o B2C porque segurança deve estar disponível a todos os usuários de games. Nossa missão é levar uma experiência de jogo positiva a milhões de pessoas”, diz.

Aliás, essa premissa foi reforçada recentemente com o primeiro grande cliente no segmento de jogos online: o Minecraft, jogo que ultrapassa a marca de 140 milhões de jogadores no mundo, segundo a Microsoft. A startup passou o início do ano fazendo testes de integração com o jogo e colocou a solução para rodar há 1 mês. Além de desenvolvedoras de jogos, a companhia tem como clientes plataformas de eSports. O faturamento da GamerSafer vem da cobrança de uma taxa mensal por usuário do seu SaaS. De acordo com a base de usuários da plataforma, é aplicada uma tabela progressiva de descontos.

OPINIÃO

Veja todas as opiniões